« Encontrar um Caminho para Todos – As Novas Tecnologias e o Acesso aos Museus »

logo_gam.jpg

No dia 29 de Janeiro, segunda-feira, o GAM – Grupo para a Acessibilidade nos Museus vai organizar o segundo seminário anual, que terá lugar no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian.

Encontrar um Caminho para Todos – As Novas Tecnologias e o Acesso aos Museus, é o título do seminário deste ano. Conta com a presença de profissionais de museus, representantes de empresas nacionais e estrangeiras e instituições ligadas a projectos em que as novas tecnologias permitem que a acessibilidade física, de informação e de comunicação, nos museus se torne mais eficaz.

A participação neste seminário é gratuita. A ficha de inscrição deverá ser enviada para:

Nome: Maria Vlachou
E-mail: mariavlachou@clix.pt

Programa
Ficha de Inscrição

Publicités

4 Réponses to “« Encontrar um Caminho para Todos – As Novas Tecnologias e o Acesso aos Museus »”

  1. isabel victor Says:

    Acabei de vir do Seminário do GAM – Grupo da acessibilidades em Museus, na Gulbenkian. Foi muito interessante … foi dada voz ás associações de pessoas deficientes e/ou com dificuldades de acesso a bens e equipamentos culturais, o que ajudou a centrar as discussões e a evidenciar os problemas. As novas tecnologias de comunicação e informaçáo, ao serviço dos museus, são hoje ferramentas valiosas, todos sabemos e foi bom recordar que existem em permanente actualização ! Mas infelizmente, trata-se de equipamentos muito caros, a que a maioria dos museus portugueses, ainda não têm acesso. Há muito a fazer no sentido da humanização e real acessibilidade aos espaços museológicos. Há muito a fazer pelo derrube de barreiras … pela falta de meios e de recursos humanos ! É importante fazer avaliação e auto-avaliação do impacto efectivo dos museus na sociedade, implementar ferramentas que permitam medir resultados, avaliar a Qualidade e evidenciar as barreiras de ordem cultural, psicológica e intelectual que se erguem no acesso aos museus e bloqueiam a participação efectiva das pessoas, para além dos ditos  » Públicos « ! Foi importante o debate. Assim vamos caminhando… num Portugal a várias velocidades, numa realidade museológica a vários tempos.

  2. Ana Carvalho Says:

    Também assisti às várias comunicações e julgo que foi muito importante o debate. Pareceu-me que o debate continuaria por muito mais tempo não fossem os constrangimentos de horário que limitavam o espaço para esse efeito. Mais uma vez um Gam escolheu um tema actual e pertinente da actualidade museológica.

  3. Patricia Says:

    Olá, também lá estive (sou membro do GAM 🙂
    É pena que muitas das coisas não possam ser postas em prática tão rapidamente, pois muitos museus não dispoem das condições básicas necessárias, isto é, recursos humanos!!! Por isso, penso que se torna dificil avançar para outro tipo de recursos se não houver técicos qualificados parao fazer! No entanto, é sempre bom saber as novidades..

  4. Regina Says:

    Sou arquiteta com deficiência física, com doutorado em psicossociologia de comunidades e ecologia social, coordeno um grupo de pesquisa sobre acessibilidade – o NÚCLEO PRÓ-ACESSO da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente estamos desenvolvendo um trabalho em museus brasileiros e gostaria de obter maiores informações, artigos e manuais que o GAM vem desenvolvendo.
    Atenciosamente,
    Regina Cohen

Laisser un commentaire

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l'aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion / Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l'aide de votre compte Twitter. Déconnexion / Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l'aide de votre compte Facebook. Déconnexion / Changer )

Photo Google+

Vous commentez à l'aide de votre compte Google+. Déconnexion / Changer )

Connexion à %s


%d blogueurs aiment cette page :