Archive for the ‘Courses of short duration’ Category

Curso: Financiamento de Projectos Culturais através de Patrocínio e Mecenato

août 27, 2009

Entre Setembro e Novembro de 2009 irá ter lugar em Lisboa um curso subordinado ao tema « Financiamento de Projectos Culturais através de Patrocínio e Mecenato ». Para mais informações veja em baixo:

Objectivo: Conhecer as metodologias e os processos necessários à angariação de financiamento através de Patrocínio e Mecenato Cultural.

Destinatários: Organizações culturais públicas ou privadas: associações, cooperativas, fundações, etc. Estudantes e todas as pessoas interessadas em obter informação sobre Financiamento de Projectos Culturais através de Patrocínio e Mecenato.

Metodologia: As sessões serão divididas em períodos expositivos, de debate e de trabalho em grupo ou individual. Conferindo-se uma fulcral importância à participação e à experiência particular dos participantes e dos seus projectos culturais específicos.

Materiais: Será fornecido o Manual completo do curso, bem como o acesso a uma compilação documental em suporte digital, e outros papers relativos à temática do curso.

Declaração: No final será entregue aos participantes uma declaração de frequência do curso.

Local: Associação Agostinho da Silva
Junta de Freguesia das Mercês | Príncipe Real > Lisboa (Rua do Jasmim, nº 11, 2º)

Início: 22 Setembro 2009| Fim: 3 Novembro 2009

Duração: 14 horas (7 sessões de 2 horas) | Horário: Terças-feiras, das 18 às 20 horas.

Nota1: O curso só se realiza com o minimo de 10 e o máximo de 20 participantes.

Nota2: Só serão consideradas inscrições as que forem efectivamente pagas até ao dia 18 de Setembro 2009.

Preço total: 55 euros (cinquenta e cinco euros) >>novo preço reduzido

Formador: Rui Matoso*

Conteúdos programáticos

1- Introdução:

a) Diferenças e semelhanças entre Patrocínio e Mecenato

b) O Marketing Cultural das empresas e o Marketing da Cultura dos projectos culturais

c) As Formas e os principais objectivos de Marketing Cultural das empresas

>>> Caso de estudo 1

2- Patrocínio de Projectos Culturais

a) O Patrocínio como ferramenta de marketing

b) Pesquisa e adequação de propostas

c) Etapas da construção de um projecto de Patrocínio

d) Organização e redacção da proposta de patrocínio (caderno/dossier de patrocínio)

e) Negociação

f) Estrutura base de um contrato de patrocínio

>>> Caso de estudo 2

3- Mecenato Cultural

a) Definição e tipos de Mecenato

b) Objectivos do Mecenato| Mecenato Cultural de empresa – conclusões de um estudo

c) Legislação do Mecenato

d) A dedução fiscal dos donativos

f) O Processo de Mecenato

+Ficha de Inscrição (em anexo)

+info: http://www.culturaviva.com.pt | rui.matoso@gmail.com | tlm. 967863646

* Rui Matoso é gestor e programador cultural. É membro da direcção da Associação Agostinho da Silva onde executa um projecto de digitalização e divulgação científica financiado pelo Instituto Camões e pelo Centro de Filosofia da Fac. Letras da Universidade de Lisboa . É membro da Academia de Produtores Culturais (http://academiadeprodutoresculturais.blogspot.com/), onde promoveu dois seminários com Toni Puig (Barcelona), com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa/EGEAC, em Maio de 2009.É Mestre em Práticas Culturais para Municípios na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Dezembro 2008), tendo anteriormente realizado uma Pós-Graduação em Gestão Cultural na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2006). É formador certificado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (CAP). Ver C.V. completo.

Ficha Inscrição

Curso: « Conservar Memórias de Uma Identidade: Reflexões Sobre Patrimónios Tangíveis e Intangíveis em Portugal »

mars 30, 2009

Conservar Memórias de Uma Identidade: Reflexões Sobre Patrimónios Tangíveis e Intangíveis em PortugalCurso coordenado pela Dra. Lorena Querol
Duração: 18 horas
Horário: 10h-13h; 14h30-17h30
Local: Sala de Formação do Museu
2009/05/27 até 2009/05/29

Valor da Inscrição:
Público em geral: 160€
Técnicos de Instituições Culturais: 120€
Estudantes/Desempregados: 90€

Informações e Inscrições:
Museu da Presidência da República
Tel: 213 614 660
museu@presidencia.pt

Programa:

Módulo I
O PATRIMÓNIO CULTURAL: MEMÓRIA DE UMA IDENTIDADE
 A noção de património e sua evolução ao longo dos tempos.
 Globalização, diversidade e Património Integral.
 Do histórico ao cultural, do singular ao plural: noções de identidade patrimonial dentro
e fora da União Europeia.
 Passado e presente do património intangível:
 Os primórdios: 1950 e a declaração de “Tesouros nacionais vivos” no Japão.
 O compromisso internacional: 2003 e a Convenção para a Protecção do Património
Cultural Imaterial da UNESCO.
 A iniciativa portuguesa: 2007 ou… os primeiros passos em direcção ao reconhecimento
de um património ameaçado.
 Exercício prático: “Transmissores de Patrimónios Desconhecidos”.
Módulo II
A CONSERVAÇÃO, UM PRIVILÉGIO HISTÓRICO
 Uma questão de respeito cultural.
 A ética actual de uma área tão antiga como a própria humanidade.
 Conservação directa e conservação indirecta: diferenças, semelhanças e outras
polémicas da actualidade.
 Museu e conservação: uma amizade sem igual.
 Exercício prático: “Nas reservas do Museu: perguntas e respostas sobre as opções de intervenção de uma obra pictórica da colecção permanente”

Ficha de Inscrição e mais informações:
http://www.museu.presidencia.pt

« Enquadramento fiscal da profissão de conservador-restaurador… », 19 Março 09

mars 18, 2009

A Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de
Portugal (ARP) está a organizar um curso sobre « Enquadramento fiscal da profissão de conservador-restaurador em sede de IRS, IRC e IVA », a realizar-se no dia 19 de Março de 2009, em Lisboa.

O curso tem como objectivo principal dotar os conservadores-restauradores de conhecimentos de natureza fiscal. Pelo momento que atravessamos, estes conhecimentos tornam-se essenciais para qualquer profissional, seja qual for a sua experiência e situação fiscal. Os conservadores-restauradores recém-formados estão naturalmente mais expostos e menos apoiados, mas os conservadores-restauradores não devem descartar a oportunidade de adquirir mais conhecimentos para optimizar a sua acção, tanto a nível profissional
como pessoal.

Embora esta acção de formação dirija-se especialmente a conservadores-restauradores e estudantes de Conservação e Restauro, a maioria das informações são de carácter geral e por isso úteis a qualquer profissional em qualquer situação fiscal.

O curso realizar-se-á em pleno prazo de entrega da declaração do IRS (10 de Março a 15 de Abril ou 16 de Abril a 25 de Maio) de modo a poder usufruir de todas as informações recolhidas ainda este ano.

A inscrição deverá ser efectuada por e-mail (cursos@arp.org.pt) e o pagamento preferencialmente por transferência bancária para o NIB da ARP: 0007.0013.00324150018.94.

Fonte: ARP

Director do MoMA em Portugal, 27 Fev.09

février 23, 2009

No próximo dia 27 de Fevereiro terá lugar um workshop sobre lojas de museus no Museu de Arte Antiga. Veja em baixo a notícia!

Por iniciativa do Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Cultura, de 25 a 28 de Fevereiro desloca-se a Lisboa e ao Porto, uma equipa do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, liderada pelo seu Director Jay Levenson com a finalidade de propiciar formação aos agentes públicos e privados nos domínios do fundraising e gestão de lojas de museus.

No dia 27 de Fevereiro terá lugar no Auditório do Museu de Arte Antiga, em Lisboa, um Workshop destinado ao sector público cultural e aos responsáveis de lojas sedeadas em museus e espaços congéneres.

(…) O número de participantes está sujeito à capacidade da sala.

————-
Workshops:
I – “Fundraising” II – “Gestão de Lojas de Museus e Palácios

Auditório do Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa
27 de Fevereiro de 2009 – 9h30m – 17h30m

PROGRAMA

Jay Levenson, Director da Programação Internacional
Visão geral das áreas de programação do MoMA
1.História do Museu de Arte Moderna (MoMA)
2.Organização das suas colecções e programas relacionados
3.História das suas actividades internacionais

James Gara, Director Executivo
Michael Margitich, Subdirector Principal das Relações Externas
Administração de Museus: Finanças e panorâmica geral do Fundraising
1.Direcção Executiva: competências e atribuições
2.Relações Externas: competências e atribuições
3.Desafios da administração de museus
4.Áreas operacionais: desafios e oportunidades
5.Receitas e despesas
6.Comissão de Planeamento e Orçamento
7.Previsão de receitas e despesas
8.Processo de monitorização e adaptação

Kathy Thornton-Bias, Gestora Principal da Divisão de Vendas
Vendas dos Museus: uma colaboração entre Cultura e Comércio
1.Relevância das vendas dos museus
2.Breve história das operações de venda do MoMA
3.Decidindo sobre o modelo de negócio
4.Construindo a visão certa e o sentido adequado para a loja
5.Como manter a rentabilidade, cumprindo a missão do museu
6.Promoção internacional de séries de produção

Notas Biográficas:

James Gara
Director Executivo do MoMA (Museu de Arte Moderna) de Nova York, onde trabalha desde 1984. É actualmente o responsável pela área financeira e de investimentos, obras, segurança, comercialização, tecnologias de informação e recursos humanos. Desempenha ainda funções no Conselho da Ética da Fieldston School, a cujo Conselho Directivo presidiu. É membro do Conselho de Administração da Fundação Lily Auchincloss.
Licenciado em História Medieval pela City University of New York, mestre em Línguas e Culturas do Médio Oriente pela Universidade de Columbia e mestre em Gestão pela Wharton School of the University of Pensilvania.

Jay A. Levenson
Director da Programação Internacional no MoMA desde 1996 e coordenador das relações do Museu com instituições de outros países. Desempenhou funções de Subdirector do Departamento Administrativo no Museu Solomon R. Guggenheim, onde participou na preparação das principais exposições, tais como Africa: The Art of a Continent [Africa: a Arte de um Continente] e China: 5000 Years [China: 5000 Anos]. Foi convidado para comissariar várias exposições, incluindo a já referida mostra sobre a China e The Age of the Baroque in Portugal (1993) [ O Triunfo de Barroco,] na National Gallery of Art, tendo sido igualmente comissário da exposição Encompassing the Globe: Portugal and the World in the 16th and 17th Centuries (2007), na Arthur M. Sackler Gallery, em Washington, apresentada posteriormente no Palais des Beaux-Arts, em Bruxelas. Licenciado pelo Yale College e pela Faculdade de Direito de Yale e doutorado em História de Arte pela Escola de Belas Artes da New York University, desempenhou funções de conservador de museu, administrador e de advogado.

Michael Margitich
Iniciou funções no MoMA em 1995, enquanto Subdirector do Departamento de Desenvolvimento. Actualmente, é Subdirector Principal das Relações Externas, responsável pela supervisão das actividades do Departamento de Desenvolvimento e de Associativismo, do Departamento de Programação e de Eventos Especiais, do Conselho das Artes Contemporâneas, do Associativismo Juvenil, da Angariação de Financiamento para Exposições, do Planeamento de Donativos, Marketing, Comunicações, Serviços Gráficos, Serviços aos Visitantes, Relações com o Governo e Centro de Arte Contemporânea. Além do planeamento da reabertura do novo Museum of Modern Art, em Novembro de 2004, foi supervisor da recente campanha de angariação de fundos no valor de 856 milhões de dólares.
Antes das suas funções no MoMA organizou campanhas similares no valor de milhares de milhões de dólares a favor das Universidades de Harvard e de Columbia e foi consultor da Trust do Príncipe de Gales para o restauro da Catedral de Salisbury [The Prince Charles Royal Trust Restoration of Salisbury Cathedral]
Foi ainda docente em instituições, tais como Christie’s e Columbia University. É membro do Conselho Consultivo da Columbia University School of General Studies e ainda faz parte dos Conselhos do Cinema e de Xadrez das referidas Universidades.

Kathy L. Thornton-Bias
É Gestora Principal da Divisão de Vendas do MoMA. Esta divisão é o principal instrumento gerador de receitas, revertendo 100% de lucros do sector de vendas para o apoio à programação e às exposições do Museu. Iniciou a sua carreira de vendas na empresa Saks Fifth Avenue, para a qual trabalhou durante mais de uma década, ocupando vários postos, incluindo nas áreas de merchandising e de planeamento, sendo, ulteriormente, Vice-Presidente da Divisão de Catálogos da referida empresa.
Concluída a formação académica na Universidade da Virgínia, ocupou-se do Fundo das Bolsas de Estudo de Walter Ridley,, com funções dirigentes ao longo de dois mandatos. Actualmente é membro do Conselho de Administração da Fundação do College of Arts and Sciences. Além do voluntariado na Faculdade, desenvolve actividades de cariz comunitário. Ao longo dos últimos cinco anos, foi membro da Liga dos Juniores de Montclair-Newark, NJ. É ainda membro ou Presidente do Conselho de vários projectos e conselhos, dedicados a melhorar a vida das crianças em risco. No ano passado elaborou um currículo básico de artes de cariz multicultural. Devido ao êxito obtido, este programa foi incorporado em mais três regiões do Condado de Essex.

—————————

Ficha Inscrição

(Fonte: http://www.gri.pt:80/main.asp)

Seminário – Inventário do Património Cultural Imaterial: Contextos e Metodologias, 9-13 Fev. 09

février 20, 2009

Decorreu em Ponta Delgada, entre 9 a 13 Fevereiro de 2009, o Seminário “Inventário do Património Cultural Imaterial: Contextos e Metodologias”, realizado pelo Departamento de Património Imaterial do Instituto dos Museus e da Conservação.

O Seminário teve como destinatários formandos da Licenciatura em Património Cultural pela Universidade dos Açores, bem como profissionais de Museus e outras entidades culturais.

……..

Fonte: IMC

Curso de História do Azulejo, 3 Março a 5 Maio 2009

février 19, 2009

curso-historia-azulejo

Entre 3 de Março a 5 de Maio de 2009 (18h-19h30) terá lugar no Museu Nacional do Azulejo um curso sobre a história do azulejo.

Ficha de inscrição e mais informações aqui: Curso História Azulejo

Curso: Gestão do Risco de Rotina em Arquivos e Bibliotecas, 12-13 Fev. 09

février 11, 2009

Nos dias 12 e 13 de Fevereiro de 2009 terá lugar o curso « Gestão do Risco de Rotina em Arquivos e Bibliotecas » no Museu da Presidência.

Coordenação: Dra. Inês Correia (Conservadora – Restauradora / Direcção-Geral de Arquivos)

Duração: 12 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu da Presidência da República
Limite de Inscrições: 18 participantes (as inscrições serão aceites por ordem de inscrição)
Data limite de Inscrição: 6 de Fevereiro de 2009

DESTINATÁRIOS:
O curso é dirigido a técnicos de bibliotecas, arquivos e serviços de documentação.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS:
Documentos: materiais e formatos
Factores internos e externos de deterioração
Avaliação do grau de fragilidade dos documentos
Definição de risco – espaços de depósito e salas de leitura
Boas práticas – manipulação, armazenamento e transporte

VALOR DA INSCRIÇÃO:
(O valor da inscrição inclui CD-ROM do curso, documentação, certificado e acesso gratuito ao Museu nos dias de frequência da actividade)
Público em geral – 120,00€
Técnicos de Arquivo e Biblioteca – 90,00€
Estudantes/Desempregados – 70,00€

Mais informações:
http://www.museu.presidencia.pt/

Curso:Tecnologias digitais em Museus, 21-23 Jan. 09

janvier 12, 2009

museus-digitais-museu-presidencia1

Divulgamos aqui um dos cursos promovidos pelo Museu da Presidência – Tecnologias digitais em Museus, que se realiza entre os dias 21 e 23 deste mês.

Coordenação: Dra. Paula Teixeira; Dra. Vera Moitinho
Duração: 18 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu da Presidência da República
Limite de Inscrições: 18 participantes (as inscrições serão aceites por ordem de inscrição)

Data limite de Inscrição: 16 de Janeiro de 2009

DESTINATÁRIOS
O curso é dirigido a quadros superiores de museus e instituições culturais congéneres, gestores de sites, produtores e editores de conteúdos digitais.

ESTRUTURA PROGRAMÁTICA
Módulo 1 – Prof. Doutora Maria do Rosário Saraiva
Museologia e Novos Média: desafios e perspectivas (3 h.)
Módulo 2 – Dra. Vera Moitinho
Tecnologias Digitais e Interactivas em Espaços Museológicos Físicos (2 h.)
Módulo 3 – Dra. Vera Moitinho
As TIC no Museu da Presidência da República: visita guiada (1 h.)
Módulo 4 – Dra. Vera Moitinho
Museus Virtuais e Web 2.0 (9 h.)
Módulo 5 – Dra. Paula Teixeira
Produção e Edição de Conteúdos Digitais (3 h.)

VALOR DA INSCRIÇÃO
(O valor da inscrição inclui CD-ROM do curso, documentação, certificado e acesso gratuito ao Museu nos dias de frequência da actividade)
Público em geral – 160,00€
Técnicos de Instituições Culturais – 120,00€
Estudantes/Desempregados – 90,00€

Pode descarregar o programa de formação de 2009 e a ficha de inscrição do site do Museu: www.museu.presidencia.pt

Mais informações:
Museu da Presidência da República;
Palácio Nacional de Belém, Praça Afonso de Albuquerque; 1349-022 Lisboa;
Tel. 213.614.660; Fax. 213.614.764; e-mail: museu@presidencia.pt
—-
Fonte: Museu da Presidência

Curso: Preparação, Planeamento e Monitorização de projectos cofinanciados, 28-30 Jan. 09

janvier 7, 2009

Curso: Preparação, Planeamento e Monitorização de projectos cofinanciados
28 a 30 de Janeiro de 2009

Coordenação: Dr. Juan Pereira
Duração: 18 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu da Presidência da República

Limite de Inscrições: 18 participantes (as inscrições serão aceites por ordem de inscrição)

Data limite de Inscrição: 23 de Janeiro de 2009

DESTINATÁRIOS
O curso é dirigido a activos de nível IV, cuja actividade esteja relacionada com a elaboração, planeamento, desenvolvimento e elaboração de projectos, bem como todos os restantes activos que manifestem interesse e possuam alguma experiência nesta área e pretendam aprofundar os seus conhecimentos.

VALOR DA INSCRIÇÃO
(O valor da inscrição inclui CD-ROM do curso, documentação, certificado e acesso gratuito ao Museu nos dias de frequência da actividade)
Público em geral – 160,00€
Técnicos de Instituições Culturais – 120,00€
Estudantes/Desempregados – 90,00€

Fonte: Museu da Presidência

Curso: « Os tempos da guerra peninsular 1808-1814 », 24-27 Set.2008

septembre 15, 2008

OS TEMPOS DA GUERRA PENINSULAR 1808-1814

XVIII Curso de Verão do IHC da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Coordenação Científica: Prof. Doutor Fernando Dores Costa
24 a 27 de Setembro de 2008 no Palácio Nacional da Ajuda

Ao contrário de uma ideia que em tempos se quis construir, a guerra não foi frequente em terras portuguesas, em contraste como o que aconteceu na Europa Central. As populações não tinham, em geral, memória vivida da última situação de perigo bélico. A chamada Guerra Peninsular constituiu o único conflito em que Portugal foi o local escolhido para a confrontação de exércitos estrangeiros e, consequentemente, alvo das devastações em larga escala provocadas pelas suas movimentações preparatórias e pelas batalhas travadas. Desde o final de Novembro de 1807, Portugal passou a estar militarmente integrado no sistema continental do Império de Napoleão, então no seu auge. As revoltas em Espanha, até então aliada desse Império, e depois em Portugal alteraram esta situação.

Desde 1808 e, mais claramente, durante os dois anos seguintes, Portugal tornou-se o local de afirmação de uma contra-ofensiva britânica contra Napoleão, na direcção da qual se vai destacar a figura de Wellington. Num país debilitado pela perda da ligação comercial ao Brasil, pelas medidas de bloqueio à Inglaterra e de debilitação de quaisquer formas de resistência, as populações vão sofrer dramaticamente os efeitos das exigências militares, nomeadamente os das violentas formas da retaliação por actos de resistência e também os do deslocamento forçado dos povos e da compulsiva destruição de recursos. A descida aos infernos da guerra deu-se em Portugal entre 1808 e 1810.

Programa:

24-09-2008 | 4.ª-feira
14:30 Recepção aos participantes – Fernando Rosas {presidente do IHC}, Isabel Silveira Godinho {directora do PNA}, João Sáàgua {director da FCSH} e Manuel Bairrão Oleiro {director do IMC}
15:00 Sessão inaugural La Guerra de la Independencia Española: Rasgos Distintivos de la Crisis Bélica – Enrique Martínez Ruiz {Universidade Complutense de Madrid}
15:45 Portugal, Cenário Territorial ou Nação Autónoma no Contexto das Guerras Peninsulares?
– António Pedro Vicente {FCSH/UNL}
16:30 Porto de honra
25-09-2008 | 5.ª-feira
Perspectivas sobre a Guerra Peninsular
10:00 Uma Breve Introdução aos Vários Temas da Guerra
Peninsular – Fernando Dores Costa {ISCTE}
10:45 Instituições e Poder Político. Antes e Depois das Invasões – José Subtil {UAL}
11:30 Intervalo para café
11:45 Debate
13:00 Intervalo para almoço
14:30 Submissão e Patriotismo Durante a Guerra Peninsular. Ideias Políticas, Símbolos e Discursos
– Ana Cristina Araújo {FLUC}
15:15 Memória Cultural e Representações da Guerra Peninsular em Narrativas Portuguesas e Britânicas
– Gabriela Terenas {FCSH/UNL}
16:00 Debate
16:30 Expressões da Glorificação Régia e da Derrota Napoleónica nos Tectos da Ajuda – João Vaz {conservador da colecção de pintura do Palácio Nacional da Ajuda}
26-09-2008 | 6.ª-feira
A Guerra, as Regiões, as Comunicações, a Economia
10:00 As Intervenções Franco-Espanholas na Cidade do Porto e no Norte de Portugal no Decurso das Invasões de 1807-1808 e de 1809 – Jorge Martins Ribeiro {UP}
10:45 A Junta de Viana e a Restauração Nacional de 1808 no Norte de Portugal – Henrique Martins de Matos {EBI Monsenhor Elísio Araújo}
11:30 Intervalo
11:45 As movimentações Militares do Exército Napoleónico no Alentejo em 1807- 1808. Análise dos Relatos do Tenente–General Thiébault – José Luís Assis {Universidade de Évora-UE}
14:30 O Comércio Externo de Portugal e a Guerra Peninsular – António Alves Caetano {investigador}
15:15 Comunicar em Tempo de Guerra: a Telegrafia Óptica – João Tavares {FCSH/UNL}
16:00 Intervalo
16:15 Preparação da visita às Linhas de Torres
27-09-2008 | SÁBADO
9:30 Visita guiada às Linhas de Torres

Informações e inscrições:
Data limite de inscrição: 17 de Setembro de 2008
Regime Geral: €50; por dia €20
Estudantes: €20; por dia €10

O número de inscrições é limitado
Instituto de História Contemporânea da FCSH/UNL
Tel.: 217908300 ext.: 545″ » Fax: (00351) 217908308
Av. de Berna, 26 C » » P-1069-061
URL: http://www.ihc.fcsh.unl.pt

Horário de funcionamento:
Secretariado (Natália Manso) – todos os dias das 09.00h às 13.00h

———-

Fonte: Maria José Gaivão de Tavares
Comunicação e divulgação
Palácio Nacional da Ajuda

Curso: Conservação e Restauro de Documentos Gráficos, 16, 18 , 23, 25 e 30 de Set. 2008

septembre 11, 2008

Curso de Conservação e Restauro de Documentos Gráficos

Duração: 20 Horas
Dias: 16, 18 , 23, 25 e 30 de Setembro
Terças e Quintas-feiras: 14h às 18h

Formadora: Inês Correia

Local: Instalações da Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa – ESTAL

Plano do Curso e Ficha de Inscrição disponíveis no site: http://www.iipatrimonio.org – na secção Formação

Mais Informações:
Gabinete de Formação Instituto Ibérico do Património
Contacto: Tel. 210967349 | Tlm. 911989127
E-mail: geral@iipatrimonio.org
Site: http://www.iipatrimonio.org
Morada: Rua das Fontainhas, 51-sala 2.28 – Parque Industrial da Venda-Nova – 2700-391 Amadora

Conferência e workshop na Casa-Estúdio Carlos Relvas 15-17 Out. 2008

juillet 30, 2008

(foto daqui)

Especial destaque para a conferência e workshop que se realizará na Casa-Estúdio Carlos Relvas entre 15 e 17 de Outubro de 2008 e que trará Mark Osterman e France Scully Osterman a Portugal para este evento.

Mark Osterman and France Scully Osterman, Rochester, New York, will give a lecture, demonstration and workshop on the Wet-Plate Collodion Process at Golega Studio,
Oct 15-17, 2008.

They will begin with a discussion of collodion history, process, identification and deterioration.
It will be held October 15 at 9 am. Following the lecture, the Ostermans will make an ambrotype group portrait and show examples of variants of the process.

The workshop will begin in the afternoon of October 15 and continue until October 17. In the workshop, students will make self-portraits with a 19th century portrait camera and lens. Participants will be guided through the process step-by-step, from cutting and cleaning glass, to varnishing the final image.

Variants of the process, including Opalotypes, Lantern Slides, and Negatives will be demonstrated. Included will be instructions on mixing chemicals and troubleshooting, plus a manual, « The Wet-Plate Process, A Working Guide.” No equipment is necessary for this class. Workshop attendees are advised to wear dark-colored work clothes, as they may become stained with silver nitrate during this workshop.

About the instructors:

The Ostermans are respected historians and considered modern masters of wet-plate collodion photography. The recent artistic revival of the process is a direct result of their work through exhibiting their imagery, teaching workshops and extensive research and writings on the subject. They are represented by Howard Greenberg Gallery in New York City and Tilt Gallery in Phoenix, AZ.

Mark Osterman currently serves as Photographic Process Historian for the Advanced Residency Program for Photograph Conservation at George Eastman House, International Museum of Photography and Film in Rochester, NY. He recently edited the 19th c. section of the New Focal Encyclopedia of Photography (fourth edition).

France Scully Osterman is guest scholar at George Eastman House, and teaches private tutorials and workshops in the couple’s 19th century skylight studio in Rochester, New York, US.

The couple began publishing a collodion manual in 1995, and published The Collodion Journal from 1995 to 2002. Their work has been highlighted in numerous solo exhibits throughout the US and in publications, including Paris Photo, recent issues of Spiegel, Geo, View Camera, and Zoom magazines, and on-line interview at http://foto.no.

Their work is also featured in several alternative and historic process books, Le Vocabulaire Technique de la Photographie by Anne Cartier-Bresson (2008), The Book of Alternative Photographic Processes, 2000, by Christopher James, 2008 edition of Photographic Possibilities, by Robert Hirsch, Coming Into Focus, 2001, by John Barnier, and Photography’s Antiquarian Avant-Guard, 2002, by Lyle Rexer.

The Wet-Plate Collodion Process
What is Collodion?

Invented in 1849, collodion was made by treating pure cotton wadding with nitric acid…then dissolving the “nitrated cotton” in a solution of ether and alcohol. The clear fluid could be poured onto nearly anything and when the ether and alcohol evaporated a thin, clear plastic film was left behind. The word collodion comes from the Greek word meaning to stick because the film has great adhesion. It was initially used to keep cloth bandages in place.

In 1850 it was suggested that collodion might be an effective binder for photographic chemicals.
Frederick Scott Archer (England) published the first working formula for the wet-collodion process in the 1851 issue of The Chemist.
Archer’s process included putting potassium iodide in the collodion and pouring this onto glass. Before the alcohol and ether evaporated from the collodion the plate was taken into a darkroom (under red light) and placed in a solution of silver nitrate. This created silver iodide in the collodion binder making the plate sensitive to light.
The plate was exposed in a camera and brought back to the darkroom to develop a visible image by pouring onto the plate pyrogallic and acetic acid. The developed plate was washed with water and then fixed in sodium thiosulfate (aka hypo) to remove the unexposed silver iodide. The plate was then given a final water wash. When completely dry, a protective coating of varnish was poured onto the fragile image.

– The Improved Process

By the end of the 1850s, photographers added bromide to the iodide in the collodion and the developer of choice was ferrous sulfate (aka iron sulfate) mixed with acetic acid. Another fixing agent was also available. Potassium cyanide was a very effective fixer, though deadly.
Most people using the wet-plate collodion process today use iodide/bromide collodion/ ferrous sulfate developer/ and either hypo or cyanide fixing.

– Positive / Negative Collodion Plates

Because the image silver of a collodion plate has such a small particle size it will appear as a much lighter color than silver gelatin image particles of the same density. Because of this it is possible to make a negative for printing (as illuminated from behind) or a direct positive image when a plate is backed with something dark and illuminated from above.
The difference between the negative and positive is usually density determined by exposure and development, though the actual technique/mechanics are the same.
Positive collodion images became known as “ambrotypes.”
Positive mages made on black sheets of iron were called “melainotypes,” “ferrotypes” or “tintypes.”

The Use of Collodion Photography

Collodion was used for making photographic negatives for portraits and landscapes from 1851until the mid-1880s.
Collodion was used to make ambrotypes from the mid 1850s to the mid-1860s
Collodion was used to make ferrotypes (aka tintypes) until the late 1880s
Collodion was used to make half-tone screened negatives for the printing industry until the 1970s
Since 1851 there has always been some form of photography being done using the collodion process

SCULLY & OSTERMAN studio
186 Rockingham Street
Rochester, NY 14620
sculloster@gmail.com
http://www.collodion.org
________________________________________________________
Centro de Estudos Em Fotografia da Golegã
Curso Superior de Fotografia
Instituto Politécnico de Tomar

Casa-Estúdio Carlos Relvas
Câmara Municipal da Golegã
———————-

For registration information, please contact:
Centro de Estudos em Fotografia da Golegã – CEFGA
Curso Superior de Fotografia
Instituto Politécnico de Tomar
Estrada da Serra, Quinta do Contador, 2300 Tomar
Tel. 351 249 328 130
Fax. 351 249 328 135
dfot@ipt.pt

Curso Museologia APOM

juillet 25, 2008

Museu da Chapelaria
©Ana Carvalho, Fev. 2008

As inscrições para o III Curso de Museologia da APOM, que decorrerá no Museu da Chapelaria de S. João da Madeira, entre 08 e 12 de Setembro, continuam em aberto até ao dia 31 de Agosto de 2008.

O custo deste curso inclui acesso à documentação, transporte e entrada em todos os Museus seleccionados para a realização das visitas guiadas de cariz técnico.

Programa provisório:

III CURSO DE VERÃO APOM

MUSEU DA CHAPELARIA
S. João da Madeira

DE 8 A 12 DE SETEMBRO DE 2008

No ano em que se comemora o 43º Aniversário da Associação Portuguesa de Museologia (1965-2008), entenderam a Câmara Municipal de S. João da Madeira e a Direcção da APOM promover, no Museu da Chapelaria, o III Curso de Verão APOM 2008, conferindo uma ênfase particular aos projectos e experiências de Musealização do distrito de Aveiro.

Deste modo, neste curso serão apresentadas sessões teóricas e práticas por profissionais de Museus, abordando as seguintes temáticas:

Introdução à Museologia;
Programação e Dinamização Museológica;
Gestão Museológica;
Exposição -Projectos Expositivos;
Conservação e Restauro;
Acção Cultural;
Tipologias de Museus;

Para além do programa científico e do programa social, o Curso de Verão contará igualmente com um programa de visitas guiadas aos vários museus e centros de interpretação localizados na região de Aveiro.

Coordenação:APOM
Museu da Chapelaria
Rua Oliveira Júnior, 501
Telf: 256 201 680
Fax: 256 201 689
e-mail: museu.chapelaria@gmail.com

Sónia Lourenço – Secretariado
Praça B à Trav. Sarg. Abílio Lt.C1 Lj 1A
1500-567 Lisboa
Telf: 217780687
Fax: 217780642
e-mail: apom65@gmail.com

COMISSÃO ORGANIZADORA:

AIDA RECHENA
JOÃO NETO
MARIA AMÉLIA RINCON
MARIA CRISTINA GONÇALCES
PEDRO INÁCIO
SUZANA MENEZES

Fonte: Lista de Discussão MUSEUM

Curso: Coleccionismo e Coleccionadores de Obras de Arte

mars 14, 2008

curso-colecionismo.jpg

O Instituto de História da Arte está a organizar o I Curso Livre de Primavera de História da Arte. O curso decorrerá sob o tema Coleccionismo e Coleccionadores de Obras de Arte, ao longo de oito sessões semanais, entre 3 de Abril e 21 de Maio de 2008, às quintas-feiras, excepto nos dias 30 de Abril e 21 de Maio, antecipadas para quarta-feira. O curso realizar-se-á entre as 18:30 e as 20:00 horas para todas as sessões.

Ficha Inscrição
Poster

Curso de Iniciação « Internet e Museus », 7 e 8 Dez. 2007

décembre 4, 2007

Nos 7 e 8 de Dezembro realiza-se o curso de iniciação « Internet e Museus », por Adolfo Martins e Joaquina Carita.

Mais Informações:
Amigos do Museu Nacional de Arqueologia-GAMNA
E-mail: gamna@mnarqueologia-ipmuseus.pt.

Curso: Marketing Cultural, 22, 23 e 26 Nov. 2007

novembre 16, 2007

museus-e-marketing.jpg

Palácio da Ajuda, Outubro 2007
©Ana Carvalho

Divulgamos um curso de curta duração sobre Marketing Cultural, da organização da ARP e a ser realizado no Centro Científico e Cultural de Macau nos dias 22, 23 e 26 de Novembro de 2007.

Sobre o curso:

Enquadramento conceptual
A realização deste curso tem por objectivo a sensibilização dos interessados para o marketing, de forma que possam integrar esta disciplina na sua actividade profissional. Será dado especial relevo à especificidade própria do marketing cultural, com a perspectiva de contribuir para o esclarecimento doutrinário e pragmático sobre a relevância e a amplitude da disciplina, essencial nos dias de hoje para a sobrevivência e sustentabilidade de muitas empresas e instituições, em particular as que actuam na chamada economia da cultura, mas fora da cultura de massas.

Conteúdo programático – Definições e âmbito do marketing
• Conceitos utilizados e o seu significado
• Valorização e gestão de clientes
• Análise em marketing
• Programa de marketing e comunicação
• Caso prático

Formador: Pedro Pedroso
Pedro Pedroso é licenciado em Economia pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa e mestre em Marketing pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa. Iniciou o seu percurso profissional como jornalista especializado nas áreas económicas e empresariais, tendo evoluído por empresas multinacionais, de origem europeia e americana, nos domínios do marketing e publicidade. É consultor de comunicação para a Azevedo&Silva – Comunicação, Lda., assim como fundador e sócio-gerente da Archeofactu – Arqueologia e Arte, Lda. uma empresa, criada nos finais da década de
90, que actua nos domínios da Conservação e Restauro (bens arqueológicos, ourivesaria, alfaias religiosas e agrícolas, escultura, instrumentos científicos e militares e outros artefactos decorativos), Conservação Preventiva, Reproduções e Joalharia (concepção e produção de artefactos de joalharia contemporânea inspirados em património histórico, arqueológico ou artístico de valor material e imaterial). Integra actualmente a comissão de candidatura da cidade de Lisboa à realização, em 2011, do 16º Encontro Trienal do ICOM-CC (Committee for Conservation of the International Council of Museums).

Destinatários: Conservadores-restauradores, Estudantes de Conservação e Restauro, museólogos e outros profissionais ligados ao Património Cultural.

Número limite de participantes: 20 participantes

Duração: 18 Horas

Data: 22, 23 e 26 de Novembro de 2007

Horário: 10:00h – 13:00h e 14:30h – 17:30h

Local: Centro Científico e Cultural de Macau (CCCM)
Rua da Junqueira, nº30 Lisboa

Custo:
Sócios ARP: 80€
Estudantes: 90€
Público Geral: 100€

Inscrição:
http://www.arp.org.pt
Menu>>Agenda >> Cursos

Mais Informações:
mail@arp.org.pt / 96 00 44 910

Fonte: Mailing List ARP

Curso: Comunicação Gestual em Espaços Museológicos -12 e 13 de Outubro de 2007

octobre 10, 2007

museu-nacional-de-arqueologia.jpg

[Museu Nacional de Arqueologia do Doutor Leite de Vasconcelos…]
Data:1966
Novais, Horácio, 1910-1988
© Arquivo Fotográfico de Lisboa

Comunicação Gestual em Espaços Museológicos
12 e 13 de Outubro de 2007

O Grupo dos Amigos do Museu Nacional de Arqueologia (GAMNA) vai realizar nos dias 12 e 13 de Outubro, em com colaboração com a Associação Portuguesa de Surdos (APS), um Curso de Iniciação em Comunicação Gestual em Espaços Museológicos. Procurar-se-á segui ruma orientação eminentemente prática, dando resposta às questões que se colocam, tanto da parte da comunidade surda, como da parte dos ouvintes em relação aos espaços museológicos: Porque não vêm aos museus? As legendas serão difíceis de compreender? Qual a melhor maneira de actuar? Qual o papel dos Serviços Educativos dos Museus? E, o papel dos Professores e Técnicos de Museus? Como poderão actuar para melhor direccionar e acolher as pessoas surdas? Com este curso, estas e outras questões poderão ser explicadas e, melhor compreendidas, por todos quantos estejam ligados aos museus.

Este curso, com intérprete, será leccionado pelo Professor Amílcar Morais, da Associação Portuguesa de Surdos.

Local do curso: Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa
Praça do Império (Edifício dos Jerónimos)
Informações e Inscrições para o telefone – 21 361 0000- Adília Antunes
Preço por pessoa: 50€ (membros do GAMNA e da APS); 75 € outros interessados

Mais informações:
http://www.mnarqueologia-ipmuseus.pt/

Curso: As Fontes da Iconografia Cristã – Modelos, Normas e Narrativas

octobre 9, 2007

s1-vicente-de-fora.jpg

Igreja S. Vicente de Fora

I CURSO LIVRE DE HISTÓRIA DA ARTE RELIGIOSA: As Fontes da Iconografia Cristã – Modelos, Normas e Narrativas

24 de Outubro a 19 de Dezembro de 2007

Coordenação científica: D. Carlos Moreira Azevedo e Nuno Saldanha

O Sector dos Bens Culturais da Igreja do Patriarcado de Lisboa promove, entre os próximos dias 24 de Outubro e 19 de Dezembro de 2007, o I Curso Livre de História da Arte Religiosa – As Fontes da Iconografia Cristã: modelos, normas e narrativas. Com coordenação científica de D. Carlos Moreira Azevedo e Nuno Saldanha, visa promover o conhecimento e compreensão dos fenómenos da produção, leitura e divulgação da Imagem Religiosa.

Horário e local: Das 18:00 às 19:30 h, salão nobre do mosteiro de São Vicente de Fora

Preços:
Geral: 150 €
Estudantes: 100 €
Sócios APHA: 100 €

Inscrições: Os interessados deverão enviar, até 19 de Outubro de 2007, a ficha de inscrição, devidamente preenchida e acompanhada do respectivo pagamento, para:
Curso de História da Arte Religiosa
Patriarcado de Lisboa. Sector dos Bens Culturais da Igreja
Mosteiro de São Vicente de Fora
Campo de Santa Clara, 1100-472 Lisboa

Será emitido um certificado de frequência, com descriminação do programa do curso, a todos os participantes que tenham assistido, no mínimo, a 75% das sessões previstas.

Secretariado:
Das 10:00h – 13:00h
Dr. Alexandre Salgueiro
Telf. 218 810 500

Informações:
curso.icono@netcabo.pt

Coordenação executiva: Pe. António Pedro Boto de Oliveira, Sandra Costa Saldanha

Programa do curso:

1ª sessão | 24 de Outubro | D. Carlos Moreira Azevedo
A herança do Mundo Antigo na iconografia paleocristã

2ª sessão | 31 de Outubro | D. Carlos Moreira Azevedo
O ‘Speculum Humanae Salvationis’ como inspiração da iconografia cristã

3ª sessão | 7 de Novembro | Fausto Sanches Martins
Fontes e modelos para a iconografia da Santíssima Trindade

4ª sessão | 14 de Novembro | Alexandre Nobre Pais
As narrativas bíblicas e os evangelhos apócrifos na iconografia de Cristo

5ª sessão | 21 de Novembro | Pe. António Pedro Boto de Oliveira
As narrativas bíblicas e os evangelhos apócrifos na iconografia Mariana

6ª sessão | 28 de Novembro | Luís Urbano Afonso
A influência da ‘Lenda Dourada’ na iconografia dos santos

7ª sessão | 5 de Dezembro | Nuno Saldanha
Tradição e modernidade na iconografia pós-tridentina

8ª sessão | 12 de Dezembro | Nuno Saldanha
Iconoclastia e idolatria na teoria e prática da imagem religiosa

9ª sessão | 19 de Dezembro | Ana Paula Rebelo Correia
A ‘Iconologia’ de Cesare Ripa e as alegorias religiosas

Patriarcado de Lisboa
Mosteiro de São Vicente de Fora
Campo de Santa Clara, 1100-472 Lisboa
Tel.: 218 810 500
Fax: 218 810 555

http://www.patriarcado-lisboa.pt
http://www.ecclesia.pt/bensculturais
http://www.apha.pt

Programa e Ficha de Inscrição

Cursos de Restauro

octobre 4, 2007

restauro-ceramica.jpg

Transcrevemos informação recebida através da lista de discussão Museum.

NOVOS CURSOS LIVRES DE RESTAURO

– Azulejaria e ornamentação cerâmica na Arquitectura do Romantismo – História, Técnicas, Conservação e Restauro
Local: Museu Nacional Soares dos Reis, 8 e 9 de Novembro de 2007

– Restauro Urbano Integrado
Local: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Março de 2008

Azulejaria e ornamentação cerâmica na Arquitectura do Romantismo – História, Técnicas, Conservação e Restauro

Este pioneiro curso livre intensivo incide numa temática que apenas muito raramente é abordada no âmbito da formação superior existente em História da Arte e em Conservação e Restauro: a azulejaria de fachada e toda a espécie de artefactos cerâmicos aplicados à arquitectura portuguesa da segunda metade do século XIX.
Dentro da azulejaria portuguesa, é sabido que o século XIX continua a ser o período histórico menos estudado, subsistindo ainda bastantes dúvidas e até algumas mistificações. Por outro lado, quando se aborda o tema da cerâmica aplicada à arquitectura portuguesa do Romantismo omite-se normalmente a estatuária de fachada, os calões decorados, as balaustradas e arabescos, os vasos decorativos, pinhas e globos – elementos que se complementam entre si e formam, muitas vezes, conjuntos notáveis. Paradoxalmente, a compreensão do valor patrimonial da cerâmica aplicada à arquitectura do século XIX tem implicações muito fortes na questão da reabilitação dos centros históricos portugueses e da própria imagem dos mesmos.
Assim, neste curso livre abordar-se-á o tema da cerâmica aplicada à arquitectura portuguesa do Romantismo, de forma interdisciplinar e minimamente aprofundada (ainda que forçosamente resumida), cobrindo a análise histórica e a análise artística, mas passando também pelas questões técnicas e pelos problemas relacionados com a conservação e o restauro.
Não serão feitas meras declarações de intenções sobre a temática do curso, nem se enveredará por uma via teórica estereotipada. Antes procurar-se-á chamar a atenção para vários aspectos geralmente negligenciados, como a evolução histórica no trabalho dos materiais, os critérios de avaliação patrimonial de componentes não eruditas da arquitectura portuguesa e as consequentes estratégias de intervenção a diferentes escalas.
Serão também apresentados dados inéditos sobre a história da produção de artefactos cerâmicos para fachadas, fruto de investigação recente. Efectivamente, os formadores possuem experiência de investigação, de formação e/ou de prática conservativa nesta área, pelo que o curso será conduzido de forma personalizada e com ligação à realidade. A imagem será um recurso permanente e abundante (perto de mil imagens serão projectadas e comentadas).

Os participantes no curso receberão documentação e certificado de participação (baseado em folhas de presença). Se necessário, serão também emitidas justificações de faltas.

Veja aqui o programa deste curso e outras informações mais detalhadas:
http://franciscoeanamargarida.planetaclix.pt/

Restauro Urbano Integrado

Apesar de serem cada vez mais frequentes em Portugal os congressos, as conferências e a formação pós-graduada sobre o tema da reabilitação urbana, continuamos a constatar erros e falhanços aparentemente incompreensíveis em numerosas intervenções recentes realizadas nos nossos centros históricos. O problema começa logo com a metodologia de análise. É sabido que muitos dos Planos de Pormenor de Centros Históricos são geralmente elaborados por equipas onde nem sequer se incluem especialistas em História do Urbanismo e em Conservação Integrada, tendo como resultado planos pouco (ou mal) fundamentados. Ora, não se conhecendo em detalhe todas as causas históricas de abandono e degradação, rua a rua, não se podem esperar propostas de intervenção bem sucedidas. Não se conhecendo o efectivo valor dos centros históricos como conjuntos e a importância da sua arquitectura de carácter vernacular, não se podem esperar propostas de intervenção com critérios adequados. Não havendo capacidade
de previsão, baseada nas leis do urbanismo orgânico e na antropologia do espaço, o índice de insucesso nas intervenções acaba por ser forçosamente muito elevado, com óbvios prejuízos a todos os níveis: sociais, económicos, ambientais, culturais, etc.
Mais do que reabilitar os edifícios, mais do que intervir avulso em quarteirões e em espaços públicos, é sobretudo necessário recriar e restaurar a lógica dos núcleos urbanos antigos, dentro de um espírito que ainda mal foi experimentado em Portugal, mas que já há alguns anos foi sendo defendido nos International Courses on Integrated Territorial & Urban Conservation, organizados pelo ICCROM.
Hoje, torna-se evidente que a questão dos centros históricos não é um mero problema de arquitectura ou de planeamento urbano. Várias áreas do saber são cada vez mais chamadas a contribuir para o estudo dos centros históricos e para as subsequentes estratégias de intervenção e de conservação: a História da Arte, a Antropologia, a Arqueologia Urbana, a Sociologia Urbana, o Turismo, a Mobilidade e a Engenharia de Transportes, a Geografia Urbana, a Conservação e Restauro, a Museologia, a Economia, a Engenharia Civil, a Arquitectura Paisagista, o Design Urbano, a Gestão de Património, o Direito, etc. Ainda assim, o Restauro Urbano Integrado não constitui um mero somatório de saberes. Trata-se de uma área interdisciplinar recente e com fronteiras ainda mal definidas.
Neste curso livre de Restauro Urbano Integrado apresentar-se-á um conjunto de novas metodologias de análise e de novas estratégias de intervenção, tendo como base uma análise crítica sobre os últimos trinta anos de reabilitação urbana em Portugal.
Ainda que em versão resumida, este será o primeiro curso em Portugal única e exclusivamente dedicado à CONSERVAÇÃO URBANA E TERRITORIAL INTEGRADA e às questões interdisciplinares mais relevantes ligadas ao restauro e à conservação sustentável de núcleos históricos entendidos como conjuntos, indo muito para além da arquitectura e do urbanismo.

Logo que as inscrições para este curso sejam abertas, divulgaremos o horário definitivo e todos os restantes detalhes. De qualquer modo, o programa e os objectivos já podem ser consultados em:
http://franciscoeanamargarida.planetaclix.pt/

Curso « Métodos Laboratoriais de exame para o estudo de pinturas »

octobre 2, 2007

restauro-pintura.jpg

Transcrevemos informação relativa ao curso « Métodos Laboratoriais de exame para o estudo de pinturas » a partir da mailing list da ARP.

[…] estão abertas as inscrições para o curso de curta duração « Métodos Laboratoriais de Exame para o Estudo de Pinturas » organizado por esta associação e a decorrer no Centro Científico e Cultural de Macau (CCCM).

Este curso destina-se a conservadores-restauradores, estudantes de Conservação e Restauro e a outros profissionais ligados ao Património Cultural.

Promover cursos de aperfeiçoamento profissional é uma das atribuições da ARP e que se inscreve no Plano de Actividades de 2007, aprovado em Assembleia Geral e disponível para consulta no site.

[…] A inscrição deverá ser efectuada através do site da nossa associação http://www.arp.org.pt
(Menu>>Agenda >> Cursos).

Objectivos

O curso pretende apresentar os fundamentos dos métodos de exame mais usados no estudo de pinturas alguns dos quais facilmente acessíveis aos conservadores, discutir o tipo de informações proporcionadas pelos mesmos e as suas limitações. Trata-se de métodos que podem ser úteis quer para o estudo das obras, quer ara o esclarecimento de aspectos relacionados com o estado de conservação. Sempre que possível, os tópicos serão abordados a
partir da discussão de casos reais. Entre estes poderão ser usados casos apresentados pelos formandos.

Conteúdo

Radiação electromagnética no estudo de pinturas
– Interacção da radiação electromagnética com a matéria
– Materiais constituintes de pinturas de cavalete
– Estrutura de pinturas de cavalete
– Uso da radiação electromagnética no estudo de pinturas

Radiografia
– Fundamentos
– Equipamento e métodos
– Informações proporcionadas
– Limitações
– Análise de casos
– Auto-radiografia

Fotografia e reflectografia de infravermelho
– Fundamentos
– Equipamento e métodos
– Análise de casos

Fotografia de fluorescência de ultravioleta
– Fundamentos
– Equipamento e métodos
– Análise de casos
– Fotografia de reflectância de ultravioleta

Formador
António João Cruz
(n. 1963)

Licenciado e doutorado em Química pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
Foi colaborador do Instituto José de Figueiredo, onde realizou numerosos estudos de aplicação da ciência ao estudo das obras de arte. É autor de estudos relacionados com a aplicação da química à arqueologia, às obras de arte e a outros contextos relacionados com o estudo e a conservação do património cultural.
Foi docente da Escola Superior de Conservação e Restauro e lecciona/ tem leccionado em cursos de mestrado e de doutoramento de diversas escolas, nomeadamente da Faculdade de Ciências e da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, da Universidade Católica Portuguesa, Porto, e do ISCTE Business School. Integra a comissão coordenadora do Curso de
Mestrado em Química Aplicada ao Património Cultural da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que funciona actualmente em colaboração com o Instituto Politécnico de Tomar. Desde 2004, é equiparado a Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Tomar (Departamento de Arte, Conservação e Restauro). De forma pontual, colaborou em acções de formação da Rede Portuguesa de Museus e do IPPAR.
Actualmente participa em dois projectos de investigação financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia intitulados « The materials of the image: Pigments on Portuguese treatises from the Middle Ages to 1850 »
(POCTI/EAT/58065/2004) e « CATHEDRAL – Characterisation and conservation of traditional historical mortars from Alentejo’s religious buildings »
(POCTI/HEC/57915/2004).

Destinatários
Sócios da ARP
Outros Conservadores-Restauradores
Estudantes de Conservação & Restauro
Outros profissionais ligados ao Património Cultural

Número limite de participantes
20 participantes

Duração
12 Horas

Data e Horário
15 e 16 de Outubro
10:00h – 13:00h e 14:30h – 17:30h

Local
Centro Científico e Cultural de Macau (CCCM)
Rua da Junqueira, nº30 Lisboa

Custo
Sócios: 75?
Estudantes: 85?
Não sócios: 95?

Ficha de Inscrição
http://www.arp.org.pt
Menu>>Agenda >> Cursos

Curso Normas