Archive for the ‘Formation’ Category

Formação no Museu da Presidência da República

février 11, 2010

Sobre o plano de formação que o Museu da Presidência da República disponibiliza no primeiro semestre de 2010, destacamos alguns cursos:

Curso
GESTÃO DO RISCO DE ROTINA EM ARQUIVOS E BIBLIOTECAS
11 e 12 de Fevereiro de 2010
Coordenação: Dra. Inês Correia
Duração: 12 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.00h – 17.00h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 120,00€
Técnicos de Arquivo e Biblioteca – 100,00€
Estudantes/Desempregados – 80,00€

Curso
PREPARAÇÃO, PLANEAMENTO E MONITORIZAÇÃO DE PROJECTOS COFINANCIADOS
– M.E.L.
3 a 5 de Março de 2010
Coordenação: Dr. Juan Pereira
Duração: 18 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 160,00€
Técnicos de Instituições Culturais – 130,00€
Estudantes/Desempregados – 100,00€

Curso
OFICINAS DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA EM MUSEUS
10 a 12 de Março de 2010
Coordenação: Dra. Helena Miranda
Duração: 18 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 160,00€
Técnicos de Serviços Educativos e Professores – 130,00€
Estudantes/Desempregados – 100,00€

Curso
ESTRATÉGIAS DE SALVAGUARDA DO PATRIMÓNIO IMATERIAL EM PORTUGAL
18 e 19 de Março de 2010
Coordenação: Dra. Lorena Querol
Duração: 12 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 120,00€
Técnicos de Instituições Culturais – 100,00€
Estudantes/Desempregados – 80,00€

Curso
COMO COMUNICAR COM OS MEDIA NAS INSTITUIÇÕES CULTURAIS
25 e 26 de Março de 2010
Coordenação: Dr. Luis Neves
Duração: 12 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 120,00€
Técnicos de Instituições Culturais – 100,00€
Estudantes/Desempregados – 80,00€

Curso
DINÂMICAS E APRENDIZAGENS INTERGERACIONAIS EM CONTEXTO DE MUSEUS
12 a 14 de Maio de 2010
Coordenação: Dra. Helena Miranda
Duração: 18 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 160,00€
Técnicos de Serviços Educativos e Professores – 130,00€
Estudantes/Desempregados – 100,00€

Seminário
OS ARQUIVOS COMO PARTE DA COLECÇÃO DOS MUSEUS
22 e 23 de Abril de 2010
Coordenação: Dr. Diogo Gaspar

Curso
ORGANIZAÇÕES CULTURAIS NA INTERNET: TENDÊNCIAS, PRÁTICAS E
FERRAMENTAS
26 a 28 de Maio de 2010
Coordenação: Dra. Ana Fontoura Pires
Duração: 18 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 160,00€
Técnicos de Instituições Culturais – 130,00€
Estudantes/Desempregados – 100,00€
Requisito de Participação: Computador pessoal com rede Wireless

Curso
TECNOLOGIAS DIGITAIS EM MUSEUS
23 a 25 de Junho de 2010
Coordenação: Dra. Paula Teixeira; Dra. Vera Moitinho
Duração: 18 horas
Horário: 10.00h – 13.00h; 14.30h – 17.30h
Local: Sala de Formação do Museu
Valor da Inscrição:
Público em geral – 160,00€
Técnicos de Instituições Culturais – 130,00€
Estudantes/Desempregados – 100,00€

Veja aqui o Plano de Formação Museu da Presidência na íntegra.

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES
http://www.museu.presidencia.pt
museu@presidencia.pt
Tel. 21 361 46 60
Museu da Presidência da República
Palácio Nacional de Belém
Praça Afonso de Albuquerque
1349-022 Lisboa
Fax. 21 361 47 64

Publicités

Conferência e workshop na Casa-Estúdio Carlos Relvas 15-17 Out. 2008

juillet 30, 2008

(foto daqui)

Especial destaque para a conferência e workshop que se realizará na Casa-Estúdio Carlos Relvas entre 15 e 17 de Outubro de 2008 e que trará Mark Osterman e France Scully Osterman a Portugal para este evento.

Mark Osterman and France Scully Osterman, Rochester, New York, will give a lecture, demonstration and workshop on the Wet-Plate Collodion Process at Golega Studio,
Oct 15-17, 2008.

They will begin with a discussion of collodion history, process, identification and deterioration.
It will be held October 15 at 9 am. Following the lecture, the Ostermans will make an ambrotype group portrait and show examples of variants of the process.

The workshop will begin in the afternoon of October 15 and continue until October 17. In the workshop, students will make self-portraits with a 19th century portrait camera and lens. Participants will be guided through the process step-by-step, from cutting and cleaning glass, to varnishing the final image.

Variants of the process, including Opalotypes, Lantern Slides, and Negatives will be demonstrated. Included will be instructions on mixing chemicals and troubleshooting, plus a manual, « The Wet-Plate Process, A Working Guide.” No equipment is necessary for this class. Workshop attendees are advised to wear dark-colored work clothes, as they may become stained with silver nitrate during this workshop.

About the instructors:

The Ostermans are respected historians and considered modern masters of wet-plate collodion photography. The recent artistic revival of the process is a direct result of their work through exhibiting their imagery, teaching workshops and extensive research and writings on the subject. They are represented by Howard Greenberg Gallery in New York City and Tilt Gallery in Phoenix, AZ.

Mark Osterman currently serves as Photographic Process Historian for the Advanced Residency Program for Photograph Conservation at George Eastman House, International Museum of Photography and Film in Rochester, NY. He recently edited the 19th c. section of the New Focal Encyclopedia of Photography (fourth edition).

France Scully Osterman is guest scholar at George Eastman House, and teaches private tutorials and workshops in the couple’s 19th century skylight studio in Rochester, New York, US.

The couple began publishing a collodion manual in 1995, and published The Collodion Journal from 1995 to 2002. Their work has been highlighted in numerous solo exhibits throughout the US and in publications, including Paris Photo, recent issues of Spiegel, Geo, View Camera, and Zoom magazines, and on-line interview at http://foto.no.

Their work is also featured in several alternative and historic process books, Le Vocabulaire Technique de la Photographie by Anne Cartier-Bresson (2008), The Book of Alternative Photographic Processes, 2000, by Christopher James, 2008 edition of Photographic Possibilities, by Robert Hirsch, Coming Into Focus, 2001, by John Barnier, and Photography’s Antiquarian Avant-Guard, 2002, by Lyle Rexer.

The Wet-Plate Collodion Process
What is Collodion?

Invented in 1849, collodion was made by treating pure cotton wadding with nitric acid…then dissolving the “nitrated cotton” in a solution of ether and alcohol. The clear fluid could be poured onto nearly anything and when the ether and alcohol evaporated a thin, clear plastic film was left behind. The word collodion comes from the Greek word meaning to stick because the film has great adhesion. It was initially used to keep cloth bandages in place.

In 1850 it was suggested that collodion might be an effective binder for photographic chemicals.
Frederick Scott Archer (England) published the first working formula for the wet-collodion process in the 1851 issue of The Chemist.
Archer’s process included putting potassium iodide in the collodion and pouring this onto glass. Before the alcohol and ether evaporated from the collodion the plate was taken into a darkroom (under red light) and placed in a solution of silver nitrate. This created silver iodide in the collodion binder making the plate sensitive to light.
The plate was exposed in a camera and brought back to the darkroom to develop a visible image by pouring onto the plate pyrogallic and acetic acid. The developed plate was washed with water and then fixed in sodium thiosulfate (aka hypo) to remove the unexposed silver iodide. The plate was then given a final water wash. When completely dry, a protective coating of varnish was poured onto the fragile image.

– The Improved Process

By the end of the 1850s, photographers added bromide to the iodide in the collodion and the developer of choice was ferrous sulfate (aka iron sulfate) mixed with acetic acid. Another fixing agent was also available. Potassium cyanide was a very effective fixer, though deadly.
Most people using the wet-plate collodion process today use iodide/bromide collodion/ ferrous sulfate developer/ and either hypo or cyanide fixing.

– Positive / Negative Collodion Plates

Because the image silver of a collodion plate has such a small particle size it will appear as a much lighter color than silver gelatin image particles of the same density. Because of this it is possible to make a negative for printing (as illuminated from behind) or a direct positive image when a plate is backed with something dark and illuminated from above.
The difference between the negative and positive is usually density determined by exposure and development, though the actual technique/mechanics are the same.
Positive collodion images became known as “ambrotypes.”
Positive mages made on black sheets of iron were called “melainotypes,” “ferrotypes” or “tintypes.”

The Use of Collodion Photography

Collodion was used for making photographic negatives for portraits and landscapes from 1851until the mid-1880s.
Collodion was used to make ambrotypes from the mid 1850s to the mid-1860s
Collodion was used to make ferrotypes (aka tintypes) until the late 1880s
Collodion was used to make half-tone screened negatives for the printing industry until the 1970s
Since 1851 there has always been some form of photography being done using the collodion process

SCULLY & OSTERMAN studio
186 Rockingham Street
Rochester, NY 14620
sculloster@gmail.com
http://www.collodion.org
________________________________________________________
Centro de Estudos Em Fotografia da Golegã
Curso Superior de Fotografia
Instituto Politécnico de Tomar

Casa-Estúdio Carlos Relvas
Câmara Municipal da Golegã
———————-

For registration information, please contact:
Centro de Estudos em Fotografia da Golegã – CEFGA
Curso Superior de Fotografia
Instituto Politécnico de Tomar
Estrada da Serra, Quinta do Contador, 2300 Tomar
Tel. 351 249 328 130
Fax. 351 249 328 135
dfot@ipt.pt

Formação em Conservação&Restauro

juillet 15, 2008

Divulgamos aqui algumas novidades no panorama da carreira de conservador-restaurador. A licenciatura já era conhecida, mas a novidade reside no mestrado, que agora é proporcionado pelo Instituto Politécnico de Tomar.

– Curso de Licenciatura em Conservação e Restauro, mais informações podem ser consultadas em:
http://www.estt.ipt.pt/default.asp?s=6&t=1&n=17

– Curso de Mestrado em Conservação e Restauro, mais informações podem ser consultadas em:
http://portal.ipt.pt/portal/portal/mestradoConserRest

“Novos Museus, Novas Competências, Novas Carreiras” – balanço…

mars 17, 2008

conf-icom.jpg

VI Jornadas da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM:
“novos museus, novas competências, novas carreiras”
Fundação Calouste Gulbenkian
©Ana Carvalho, 14 Mar. 2008

Decorreu na manhã da passada sexta-feira, 14 de Março 2008, a 6.ª edição das Jornadas da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM subordinada ao tema: “Novos Museus, Novas Competências, Novas Carreiras », um assunto que não podia estar mais na ordem do dia.

O painel de oradores desta sessão temática foram destacadas figuras do panorama museológico português (ou com ele relacionado): Luís Calado (Fundação Ricardo Espírito Santo), Filipe Mascarenhas Serra (IGESPAR) e João Brigola (Universidade de Évora). A moderação coube a Paulo Henriques (Museu Nacional de Arte Antiga).

Procuraremos, tanto quanto possível, demarcar os aspectos que considerámos mais importantes sobre a discussão deste tema.

A sessão foi aberta pelo ainda director do ICOM, João Castelo Branco, que apresentou os oradores ali presentes. Seguiu-se Paulo Henriques, que sublinhou a importância de se discutir as novas competências dos profissionais de museus, no sentido em que há uma antiga visão sobre as carreiras nos museus que está obsoleta e que necessita urgentemente de ser objecto de reflexão, ressalvando a pertinência de adaptação às necessidades actuais dos museus.

Luís Calado apresentou um discurso centrado nas responsabilidades associadas à gestão dos museus nas suas diversas componentes (gestão de colecções, gestão de recursos humanos, gestão financeira, gestão dos espaços/instalações, gestão ao nível da administração central e políticas culturais, etc.). Para o efeito, apresentou diversos exemplos de museus e situações concretas ligadas a esta temática, salientando a dificuldade de implementar modelos de gestão na área dos museus. Na nossa opinião, esta foi uma apresentação que pautou sobretudo por uma chamada de atenção do que, na perspectiva de Luís Calado, foram ou são alguns dos problemas associados à responsabilidade de gerir museus e profissionais de museu, num balanço bastante inquitetante do que é a realidade portuguesa.

Filipe Mascarenhas Serra, após a interpelação de Luís Calado sobre a polémica do Côa e do futuro Museu do Côa, aproveita para esclarecer alguns aspectos relacionados com o futuro museu, tendo em conta que foi nomeado para integrar um grupo de trabalho com vista a acompanhar o processo de criação do museu. Num discurso muito positivo, salienta que todos os esforços estão a ser feitos para fazer deste projecto um projecto de sucesso. O Museu de Côa (não é definitiva a designação) será sobretudo um museu de território que terá uma componente muito forte de multimédia. Na preparação dos conteúdos estão envolvidas três universidades, a Universidade do Minho (componente multimédia), a Faculdade de Letras (no contexto do ordenamento do território, Geografia) e a Universidade Nova (componente da comunicação). A intenção é que o museu possa ser inaugurado daqui a um ano.
O grande enfoque da sua comunicação foi sobretudo ao nível das carreiras de museologia e C&R e da sua relação com o recém publicado diploma legal sobre as carreiras e os vínculos de trabalho (27 Fev. 2008) e das consequências que terá para o mundo dos museus. O panorama poderá não ser muito positivo e requer uma reflexão urgente deste tema por parte das várias associações ligadas aos museus para que se possam tomar medidas reinvidicativas adequadas para alterar algumas situações que em nada beneficiam os profissionais de museu. Além disso, Filipe Mascarenhas Serra sublinhou a importância da qualificação dos profissionais de museus, o necessário e imprecindível investimento das tutelas na formação e em capital humano. Por outro lado, salvaguardou que a qualificação pressupõe necessariamente a planificação, critério que deverá estar sempre presente. E aproveitou para chamar a atenção para o QREN, o último quadro de apoio da União Europeia, que privilegia a qualificação de RH como como uma das suas prioridades. Assim sendo, esta é uma oportunidade que os museus não podem perder.

João Brigola referiu que este é o momento oportuno para reflectir sobre duas décadas da formação em museologia em Portugal. Destaca um percurso que tem um balanço muito positivo e que de uma maneira geral foram dados passos importantes no contexto da qualificação dos profissionais de museu, a ver pelas últimas estatísticas realizadas. Este pode ser, no entanto, o fim de um ciclo e novas pistas poderão ser dadas para um novo ciclo da formação em museologia. Refere a remodelação dos cursos existentes de museologia em função das consequências decorrentes do processo de Bolonha e a necessidade de reflexão sobre a formação em museologia. Insistiu na possibilidade de se investir num 3.º ciclo em museologia – doutoramento, e da necessidade de se criarem parcerias em rede para levar a cabo esta intenção. Adiantou que a Universidade de Évora está empenhada em associar-se em rede com vista à internacionalização, factor determinante e fulcral para a formação avançada em museologia em Portugal, acrescentando o papel fundamental que o ICOM poderá ter neste contexto.

Em síntese, Paulo Henriques, refere entre várias coisas, a importância da articulação entre as universidades e a experiência prática nos museus, em termos de formação. Particular destaque para a chamada de atenção que fez para a necessidade das novas gerações de profissionais em serem mais combativos e se debaterem com um mercado de trabalho mais agressivo, gerações que considera que são mais propositivas, ou espera que o sejam. E da necessidade de haver mais abertura dos museus para a entrada desta nova geração no mercado de trabalho. Por outro lado, e relativamente ao quadro de apoio 2007-2013 constata que de facto deveria existir um gabinete de apoio que orientasse e colaborasse com os museus para eventuais candidaturas a projectos neste âmbito, dada a logística que comporta para os museus este tipo de candidaturas.

Houve tempo ainda para alguns esclarecimentos por parte de diversos elementos da assistência sobre alguns dos tópicos referidos nas apresentações, nomeadamente sobre o Museu Arqueológico do Carmo e Museu Nacional dos Coches, nas pessoas de José Arnaud e Silvana Bessone respectivamente. Destacamos os comentários de Luís Raposo (Museu Nacional de Arqueologia) e Graça Filipe (Ecomuseu municipal do Seixal) que sublinharam que o « museu é um organismo vivo » e não é apenas um conjunto de colecções, « é também um projecto social ». Por outro lado, Graça Filipe referiu a importância de se reflectir sobre o que é ser profissional de museu.

Estes foram alguns dos tópicos abordados e que em nosso entender não esgotaram de maneira nenhuma o tema. Seria oportuno e a breve trecho uma reflexão mais alargada deste tema, tendo em conta que este ano será decisivo para o futuro das carreiras em museologia. Referir ainda que se verificou, na nossa opinião, uma clara ausência na assistência de representatividade das novas gerações de profissionais de museu.

Curso: Comunicação Gestual em Espaços Museológicos -12 e 13 de Outubro de 2007

octobre 10, 2007

museu-nacional-de-arqueologia.jpg

[Museu Nacional de Arqueologia do Doutor Leite de Vasconcelos…]
Data:1966
Novais, Horácio, 1910-1988
© Arquivo Fotográfico de Lisboa

Comunicação Gestual em Espaços Museológicos
12 e 13 de Outubro de 2007

O Grupo dos Amigos do Museu Nacional de Arqueologia (GAMNA) vai realizar nos dias 12 e 13 de Outubro, em com colaboração com a Associação Portuguesa de Surdos (APS), um Curso de Iniciação em Comunicação Gestual em Espaços Museológicos. Procurar-se-á segui ruma orientação eminentemente prática, dando resposta às questões que se colocam, tanto da parte da comunidade surda, como da parte dos ouvintes em relação aos espaços museológicos: Porque não vêm aos museus? As legendas serão difíceis de compreender? Qual a melhor maneira de actuar? Qual o papel dos Serviços Educativos dos Museus? E, o papel dos Professores e Técnicos de Museus? Como poderão actuar para melhor direccionar e acolher as pessoas surdas? Com este curso, estas e outras questões poderão ser explicadas e, melhor compreendidas, por todos quantos estejam ligados aos museus.

Este curso, com intérprete, será leccionado pelo Professor Amílcar Morais, da Associação Portuguesa de Surdos.

Local do curso: Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa
Praça do Império (Edifício dos Jerónimos)
Informações e Inscrições para o telefone – 21 361 0000- Adília Antunes
Preço por pessoa: 50€ (membros do GAMNA e da APS); 75 € outros interessados

Mais informações:
http://www.mnarqueologia-ipmuseus.pt/

Programas Ocupacionais de desempregados no MNA

juin 7, 2007

entrada-museu-de-arqueologia.jpg

O Museu Nacional de Arqueologia-MNA propos e viu aprovadas algumas candidaturas ao Programa Ocupacional de Desempregados, promovido pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Estes programas têm a duração de um ano e são exclusivamente dirigidos e desempregados inscritos e a receber o chamado « subsídio de desemprego ».

Os interessados em integrar estes programas, especialmente nas áreas de gestão de colecções e arquivos documentais (inventário, conservação preventiva, preparação de exposições, biblioteca, etc.), podem obter mais informações junto do Museu.

Contacto: D. Maria do Céu Araújo, tel. 213620000.

Fonte: Lista de Discussão « Museum »

« Condão e Sedução: A Arte de (Fazer Ler) »

mars 21, 2007

casa-museu-joao-soares.jpg

Casa-Museu João Soares/Centro Cultural João Soares
Cortes, Leiria

A Casa-Museu João Soares promove no próximo sábado, 24 de Março de 2007 (9h30-18h30), uma acção de formação intitulada « Condão e Sedução: A Arte de (Fazer Ler).

Por Maria Helena Melim Borges (Directora-Adjunta do Serviço de Educação e Bolsas da Fundação Calouste Gulbenkian)

Mais informações:
Casa-Museu João Soares
Tel: 244 891 219
E-mail: direccao.casa-museu@fmsoares.pt
www.fmsoares.pt

A acção de formação pretende ser uma reflexão sobre a promoção e a animação, dois conceitos essenciais ao desenvolvimento de um trabalho fundamental à leitura pública.

Pretende-se fornecer técnicas e metodologia adequadas à elaboração de projectos e, através da exemplos práticos, aprofundar as competências dos formandos nessa matéria. As sessões terão uma vertente teórico-prática com uma participação activa dos formandos.

Contagiar o desejo de ler é como contagiar qualquer outra convicção profunda: só se poderá conseguir, aliás, tentar, sem imposições, por simples contacto, imitação ou sedução.

Se, por um lado, esse contágio deverá começar a ser exercido muito antes das crianças saberem ler, por outro, há que ter em conta que, da parte dos mediadores de leitura, esse exercício é mais do que uma função: é uma missão que terá de acompanhar o leitor no seu percurso de vida.

Nesta conformidade, as estratégias de animação e promoção da leitura – formas desse contágio – devem abranger os diferentes etários com o objectivo primeiro de manter viva a sedução.

Maria Helena Melim Borges nasceu na Ilha da Madeira em 1954. Licenciada em Filologia Germânica, pela Universidade Clássica de Lisboa, é pos-graduada em Ciências Documentais. Entre 1983 e 2002 trabalhou no Serviço de Bibliotecas e Apoio à Leitura da Fundação Calouste Gulbenkian, incidindo a sua experiência sobretudo nas áreas da promoção da leitura e gestão de bibliotecas públicas. A partir de Janeiro de 2003 foi integrada no Serviço de Educação e Bolsas da Fundação Calouste Gulbenkian, como responsável pelos projectos culturais.

Ficha de Inscrição

Fonte: Lista de discussão « Museum »

Programa de Estágios « Jovens Animadores do Museu da Electricidade »

mars 5, 2007

museu-da-electricidade.jpg

Estação Eléctrica Central do Tejo (actual Museu da Electricidade)
Pinto, Kurt, [post. 1939]
© Arquivo Fotográfico de Lisboa

Destacamos aqui notícia publicada no site « Universia » e que julgámos ser de relevância.

Estão abertas as candidaturas a um programa de estágios promovido pela Fundação da Juventude em parceria com a Fundação EDP.

O programa « Jovens Animadores do Museu da Electricidade » pretende proporcionar aos estudantes universitários uma formação em contexto real de trabalho, através da colaboração, a tempo parcial, no Museu da Electricidade.

Destina-se a alunos do Ensino Superior, a frequentar preferencialmente os cursos de Arquitectura, Engenharias, História e Artes.

Os objectivos específicos do estágio visam fomentar o interesse e a participação de jovens na revitalização da actividade museológica portuguesa; reforçar no Museu da Electricidade um espírito de juventude em termos de comunicação e demonstração da respectiva riqueza museológica; desenvolver princípios e práticas adequadas ao mundo do trabalho para facilitar a inserção profissional; adquirir competências orientadas para o desempenho de funções práticas; reforçar e consolidar competências pessoais, profissionais e culturais; ensaiar práticas ajustadas ao dia a dia do Museu; favorecer a construção de uma autonomia técnica marcada pelo sentido de responsabilidade.

Será dada preferência aos estudantes a frequentar estabelecimentos de ensino superior da zona da Grande Lisboa.

Os estágios, a decorrer no Museu da Electricidade, terão uma carga horária de cerca de 12H45 por semana, distribuídas em blocos de 4H15 por dia, de Terça-Feira a Domingo, e terão a duração mínima de 6 meses, e poderão prolongar-se até ao máximo de 12 meses, de acordo com o bom desempenho demonstrado pelos estagiários.

Os estudantes que participam neste Programa de Estágios recebem uma bolsa de estágio no valor aproximado de 240 Euros por mês, e podem ser também reembolsados das despesas de transporte até ao máximo de 45 Euros por mês. Os estagiários são ainda abrangidos por um Seguro de Acidentes de Trabalho.

Os jovens interessados em participar neste programa de estágios devem contactar a Fundação da Juventude (Quinta de Santa Marta, 1495-120 Algés, tel 21.4126370, e-mail: fjlisboa@fjuventude.pt) no sentido, de formalizarem a sua inscrição no programa, cujas candidaturas terminam a 9 de Março.

Fonte: Universia, 09/02/2007

UPT promove especializações na área do Património Arqueológico

février 6, 2007

restauration.jpg

Restauration de mosaique dans « l’Opificio delle Pietre Dure »
1900-1910, Fratelli Alinari
Archives Alinari, Florence, Dist RMN – ©Fratelli Alinari
In Agence photographique – Réunion des Musées Nationaux

A partir de Fevereiro, a Universidade Portucalense (UPT) vai promover dois cursos de especialização sobre a riqueza do património arqueológico português. Dirigidos a licenciados em qualquer área de conhecimento, os cursos “A conservação e o restauro de cerâmica e faiança arqueológicas” e “Arqueologia e Valorização”, cujas inscrições já se encontram abertas, arrancam a partir de Fevereiro, e têm como objectivo formar técnicos e profissionais, de modo a colmatar os défices apresentados pelo país em termos de quadros profissionais nesta área.

Os dois cursos, adaptados aos critérios da Convenção de Bolonha, apresentam um total de 150 horas (60 ECTS) de aulas teórico-práticas ministradas às sextas-feiras à tarde e sábados de manhã, e com adaptações às necessidades dos alunos, amplificando, desta forma, a possibilidade de frequência pelos profissionais no activo.

Mais informações:
http://www.uportu.pt

Fonte: http://www.cienciapt.net

Novo curso de Pós-Graduação "Especialização em Museus e Educação"

septembre 14, 2006

A Universidade de Évora arranca já este ano lectivo (2006/2007) com uma nova pós-graduação no domínio da museologia.
Ao curso de Mestrado em Museologia, já na sua IV edição, acresce agora uma nova especialização vocacionada para a área educativa dos museus.

A Universidade de Évora, através do seu Departamento de História em colaboração com os Departamentos de Psicologia e de Pedagogia e Educação, vai abrir um Curso de Especialização em Museus e Educação, durante o ano lectivo de 2006-2007.

Este curso terá a duração de dois semestres lectivos e iniciar-se-á durante o mês de Outubro do corrente ano, com actividades lectivas distribuídas apenas por um dia útil da semana, a segunda-feira.

A estrutura curricular será deste modo organizada:

1º. Semestre – Seminários: Museus e Educação-perspectiva histórica (14h); Museus e Educação – Conceitos e tendências contemporâneas (14h); Museus e Educação – Perspectivas da psicologia da educação (14h); Experiências de Educação Patrimonial em Museus I (28h);

2º. Semestre – Seminários: Museus, Cultura e Públicos (14h); O Museu como Espaço Educativo (14h); Experiência de Educação Patrimonial em Museus II (28h); Construção de Projecto Educativo em Contexto Museal (28).

O Curso destina-se a portadores de licenciatura em qualquer ramo do saber, com actividades ou interesses ligados tanto à área educativa quanto ao universo dos museus.

Mais informações: http://www.dhis.uevora.pt/