Relatório Museologia: « Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE): Percurso Museológico »

juillet 8, 2011

Defesa relatório, Membros do júri, Universidade de Évora
Foto Ana Carvalho, 5 Julho 2011

Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE): Percurso Museológico
Autora: Margarida Pais Ribeiro
Orientação: Filipe Themudo Barata e João Pinharanda
Relatório apresentado à Universidade de Évora para obtenção do grau de Mestre em Museologia (Bolonha)
Ano: 2011. Tese defendida a 5 de Julho de 2011
Nota: Júri constituído por Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues (Presidente), Camões Gouveia (arguente), Sandra Leandro, Filipe Themudo Barata (orientador) e João Pinharanda (co-orientador).

Resumo:

O Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE) faz parte de um recente grupo de museus de arte contemporânea, bem como de centros de arte moderna surgidos nos últimos anos em Portugal, procurando afirmarem-se, quer no tecido cultural das cidades onde se integram, quer no país em geral, com programas museológicos de qualidade. Inaugurado em 2007, o MACE afigura-se, tanto no contexto local como nacional com uma proposta positiva e inovadora, em torno do qual existem muitas expectativas. Trata-se, pois, do momento oportuno para reflectir sobre os primeiros anos da sua actividade. Entre as intenções e a realidade, qual é o estado da arte? Tendo como ponto de partida o trabalho que desenvolvi durante três anos no MACE, o qual acompanhou de perto, não apenas a sua implementação, mas também os primeiros anos de vida do museu, este trabalho pretende não só contar como surgiu este espaço museológico, mas também fazer uma análise crítica do trabalho até hoje realizado, reflectindo sobre o presente mas lançando também pistas de trabalho para o futuro.

De volta…

juillet 8, 2011

Ontem perguntavam-me, então o blogue acabou? Não, continuamos por aqui. Provou-se que a mudança para a nova casa poderá ser mais demorada. Enquanto isso não acontece, permanecemos no endereço do costume…

http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/

mai 30, 2011

« No Mundo dos Museus » está prestes a mudar-se para uma nova « casa ». Vou dar assim início a uma nova etapa a partir da « Hypotheses.org« , uma plataforma francesa de blogues no âmbito das ciências sociais, que também muito em breve terá uma edição em português.

Trata-se de uma nova roupagem, mas continuo fiel aos objectivos que me guiam desde o início, ou seja, o de tornar este blogue uma ferramenta de divulgação da actividade museológica em Portugal. Sem pretensões de dar a conhecer tudo aquilo que acontece neste domínio, este blogue pressupõe uma abordagem crítica (sempre que possível) das principais notícias no mundo dos museus.

Espero que todos aqueles que têm acompanhado o « Mundo dos Museus » não o deixem de fazer no futuro:

http://nomundodosmuseus.hypotheses.org

Procura-se historiador de arte para Alentejo

mai 24, 2011

Segundo informação divulgada através da lista de discussão « Museum », a empresa « Spira – revitalização patrimonial Ldaa » lançou uma oferta de emprego para historiador de arte.

« Spira – revitalização patrimonial Lda procura Historiador da Arte ou pessoa com outra formação, profundamente conhecedora de História e Património da região do Alentejo para levar a cabo visitas temáticas sobre frescos (pintura mural) e outras especificidades artísticas desta região do país. Procuramos alguém muitíssimo apaixonado pela matéria em causa, com um enorme prazer de partilha de conhecimento com todo o tipo de interessados, bom domínio de línguas (inglês e espanhol mínimo), responsável, autónomo e criativo. Obrigatório: carta de condução e carro. Trabalho pontual. Agradecemos envio de CV por parte de todos os interessados. »

Mais informações:
Catarina Valença Gonçalves (Directora-geral)
Rua 5 de Outubro, 20, 7920-368 Vila Nova da Baronia
http://www.spira.pt
ww.rotadofresco.com
http://www.campopatrimonio.com
+ 351 93 835 46 41 | + 351 284 475 413
skype: cvgvs1976

Encontro de Museus do Centro, 20 Maio 2011

mai 19, 2011

A Direcção Regional de Cultura do Centro promove um encontro de museus. Cooperação parece ser palavra-chave. O encontro é já amanhã.

Sobre os objectivos:

Dando con­ti­nui­dade ao de­bate ini­ci­ado no Seminário Redes Regionais de Museus, no dia 13 de Abril, onde fo­ram abor­da­das, de forma mais teó­rica, as es­tru­tu­ras de or­ga­ni­za­ção em rede, as po­lí­ti­cas es­tra­té­gi­cas, os di­fe­ren­tes mo­de­los exis­ten­tes e as pers­pe­ti­vas de par­ce­rias, pretende-se neste Encontro de Museus do Centro par­tir à des­co­berta de al­gu­mas das ins­ti­tui­ções mu­se­o­ló­gi­cas da Região Centro. Isto, para pro­mo­ver o diá­logo e a re­fle­xão, de forma mais prá­tica, atra­vés de cur­tas, in­ci­si­vas e ex­pli­ca­ti­vas apre­sen­ta­ções. Um diá­logo que se pre­tende re­ve­la­dor das po­ten­ci­a­li­da­des e das afi­ni­da­des nas re­la­ções en­tre mu­seus, sem des­cu­rar os an­seios e as di­fi­cul­da­des de cada ins­ti­tui­ção ou do sec­tor em ge­ral. Assim, deseja-se me­lho­rar o co­nhe­ci­mento mú­tuo do te­cido mu­se­o­ló­gico da re­gião num pro­cesso que se quer gra­dual, rei­te­rado e com di­nâ­mi­cas pró­prias, sendo de es­pe­rar que este evento não te­nha um fim em si mesmo. Para tal, am­bi­ci­ona a Direção Regional de Cultura do Centro com este pro­grama, ilus­trar a plu­ra­li­dade dos mu­seus da re­gião, ao ní­vel da tu­tela, da te­má­tica ou da lo­ca­li­za­ção. Previsivelmente, es­tas co­mu­ni­ca­ções se­rão o mote para a pro­cura de com­pa­ti­bi­li­da­des, a par­ti­lha de ex­pe­ri­ên­cias, o de­sen­vol­vi­mento de co­o­pe­ra­ções ou a iden­ti­fi­ca­ção de po­ten­ci­a­li­da­des e di­fi­cul­da­des co­muns. No fundo, o au­mento de co­nhe­ci­mento do sec­tor e o es­trei­tar de re­la­ções en­tre os mu­seus da re­gião é ob­je­tivo deste Encontro.

Pode consultar o programa aqui.

I Jornada de Museologia em Resende

mai 19, 2011

No dia 21 de Maio realiza-se a I Jornada de Museologia em Resende. O tema deste encontro é « A importância dos museus locais e regionais ». Do programa apenas sabemos que estarão presentes António Nabais, Agostinho Ribeiro e Arménio Vasconcelos.

Local: Auditório Municipal de Resende

Para mais informações poderá contactar Carla Vicente: carlavicente@cm-resende.pt
Telefone: 254877200

Local Vocabularies of “Heritage”: Variabilities, Negotiations, Transformations, 8-10 Feb. 2012

mai 18, 2011

Local Vocabularies of “Heritage”
Variabilities, Negotiations, Transformations,

8-10th February 2012

University of Évora – Portugal

Organisation:
Cidehus-University of Évora-FCT
and Network of Researchers on Heritagisations

Call for paper
Dead-line 1st of June 2011

Concern for “heritage”, in its French version of “patrimoine” or the Anglo-Saxon one of “heritage”, is often associated with Western cultural history’s originality and the spreading of the values related to it with a universalist and globalizing vocation. But the objects (artifacts, monuments, sites, animals, plant species and social practices) and the uses (memory and identity processes, transmission dynamics, links with the past and with history) today covered by the sphere of the Western “cultural heritage” are sometimes already part of the cultural practices and collective representations of non-Western societies. This plurality of “heritage” conceptions makes it possible to go beyond the rhetorical motif of the “great division” and to better redefine what makes world cultures different and what connects them. Moreover, though all societies do not attribute the same meaning or the same values to their heritage terminology, they are nonetheless part of a recent semantic and conceptual translation process of the international norms propagated by “heritage” institutions.

The difficulty in analyzing the layers and the differentiations of “heritage” vocabularies stems from the fact that international bodies have gradually included in the “heritage” field very different objects (architecture, town planning, art, landscape, environment, languages or practices and social representations) and have thus encouraged the actors to interpret certain local terminologies in terms of “heritage”, even though “tradition”, “culture”, “custom”, “memory” or “transmission” could have been considered autonomously. Moreover, the division of the “heritage” field into “cultural heritage”, “natural heritage” and “intangible heritage” contains in itself a classification of the real which is not directly transferred to social situations and which also obliges local actors to redefine their own categories of thought.

Besides, Western “heritage” terminology is perhaps only pertinent to the extent that the actors themselves assert their right to this vocabulary and use it. This relativistic position makes it possible to speculate on three aspects : firstly, on the terminologies applied to “heritage” type activities already at work locally in cultures outside international frameworks ; secondly, on the translations of the terms “heritage”, “safeguarding”, “preservation”, “restoration”, “valorization” etc. in conceptual negotiations which take place locally and, thirdly, on the differences existing between these two levels and on the incomprehension this disparity creates in the local implementation of programs using international categories.

Is it possible to draw up a comparative inventory of “heritage” notions present throughout human societies? What are the local notions that come into play in the contemporary “heritage” arena? What exactly do these notions cover in the autonomous regions of Europe or in those seeking independence and in the nations resulting from decolonization? How are the meanings and requalifications of vocabulary distributed in minority and fringe groups? To what extent can the heritage field be taken as a vantage point for a society’s historical evolution?

The central idea of this symposium is to carry out an international comparison of vocabulary variants and local linguistic uses of “heritage”, both in the context of contact with international institutions and in the limited one of indigenous and customary uses. The symposium therefore proposes to take seriously the emic definitions and redefinitions of “indigenous terms” and to draw up a critical inventory of them, by going beyond the fiction of a continuous and globalized homogeneous “heritage” field. A comparative analysis and the confrontation of related concepts in the different local vocabularies would also make it possible to get the measure of the transactions, mutations, misunderstandings and transfers that may arise from the global contact initiated in cultural exchanges over the last two centuries.

In this perspective, four main fields of reflection seem to emerge:
1. The variability of “heritage” vocabularies and the social effects of this in different cultural, historical and political contexts. How should we today consider the originality of Western systems of preservation, transmission and archiving and those of “other” cultures?
2. The conceptual negotiations at stake in the adjustments of local terms on a regional, national or international level. How are these negotiations part of the public space of terminological requalification of “heritage” vocabularies and practices, sometimes embodied in the form of “heritage” specialists or collective organizations?
3. The transformations the artifacts go through in the translation and exchange processes. What material changes do heritagized objects and representations have to undergo in order to correspond to local and/or international criteria?
4. The variability of scientific uses of the term “heritage” in academic traditions and the repercussions of this in experts’ practices and in interdisciplinary dialogue.

The symposium is open to all researchers working on the political, cultural, historical and social uses of “heritage”, in a perspective of exchange and interdisciplinary comparison, and able to provide a detailed account of a specific geographical area in order to contribute an element to the group reflection. Working languages will be English, French and Portuguese.

Proposition (250 words, contact details, scientific affiliation and biographical note of 50 words) should be submitted before the 1st of June 2011 to lvh2…@uevora.pt. The results will be made public on the 1st of July 2011.

Keynote Speakers
Crispin Paine, University College London, Great-Britain
Ismail Ali Ahmed El-Fihail, Ministery of Culture, United Arab Emirates
Salia Malé, National Museum, Mali
Organisation committee
Julien Bondaz, Musée du Quai Branly, France
Sylvie Grenet, Ministery of Culture and Communication, France
Cyril Isnart, Cidehus-University of Évora, Portugal
Anais Leblon, University of Aix-Marseille I, France
Maria Cardeira da Silva, FCSH/ Lisbon New University, Portugal
Elsa Peralta, ISC-IL, Portugal
Regina Bendix, University of Gottingen, Germany
Pascale Maizi, Centre Nationale d’Etudes Agronomiques des Régions Chaudes, France

Fees
The price of 150 € includes 3 lunches, 3 dinners, 6 coffee breaks, the guided tour of the historical center of Evora (Unesco World Heritage), Wifi access and documentation. The registration will only be complete once we have received the full registration fee. Cancellation and reimbursement will be possible till 2 months before the congress.

Agenda
1st of June: Dead-line for the proposal
1st of July: List of accepted papers – Call for registration
1st of November: Dead-line registration
15 of November: Final program

More information:
lvh2012@uevora.pt
or Site of the Congress

Seminário « Redes de Museus: Território. Identidade. Património »

mai 17, 2011

Eis mais um seminário para reflectir sobre a necessidade de criar redes de museus, tema recorrente nos últimos meses e que já aqui tivemos oportunidade de referir (ver post).

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, em colaboração com o Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, vai organizar nos próximos dias 20 e 21 de Maio, o Seminário: Rede de Museus – Território. Identidade. Património, que vai decorrer na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.
Este Seminário contará com as presenças institucionais:
Direcção Regional de Cultura do Norte
Arq. Paula Silva
Direcção Regional de Cultura do Algarve
Drª Dália Paulo
Instituto dos Museus e da Conservação
Dr. João Carlos Brigola
Drª Isabel Victor

A inscrição é gratuita

As inscrições podem ser feitas através do sítio do Município de Vila Nova de Famalicão: http://www.vilanovadefamalicao.org
Ou através dos seguintes contactos:
e-mail: geral@patrimoniodefamalicao.org
Tel: 252 320 954

Programa

Património imaterial em documentário

mai 16, 2011

Amanhã (17 de Maio), no Teatro da Trindade será apresentada a ante-estreia do documentário « Sinfonia Imaterial », do realizador Tiago Pereira.

Recebemos por email o convite para assistir ao documentário, que subinha o seguinte:

« Este documentário é representativo da riqueza, diversidade e valor único do património imaterial português. O filme documenta o património oral e musical, recolhendo as práticas existentes de norte a sul do país incluindo as ilhas, descobrindo a riqueza rítmica de cada paisagem sonora e explorando a ideia de um Portugal culturalmente diversificado. »

Teatro da Trindade, Largo da Trindade, Lisboa
17 de Maio de 2011 | 21h30

Organização: Fundação INATEL

Confirmações até dia 16 de Maio através do 210027141 ou cultura@inatel.pt

Lançamento de livro: « O Sagrado no Museu »

avril 29, 2011

« O Sagrado no Museu »
Autora: Maria Isabel Roque
Editora: Universidade Católica Editora (UCEditora)
Índice

Amanhã, dia 30 de Abril será lançado o livro « O Sagrado no Museu » na feira do Livro de Lisboa. Não conheço ainda o livro, mas julgo que todas as publicações são bem-vindas para animar o panorama editorial sobre museus e museologia.

Pelas 16h00 (até às 19h00), no pavilhão C18 (do lado direito de quem sobre o Parque Eduardo VII). A autora estará presente para uma sessão de autógrafos.

Sobre a obra:

Através da análise da musealização de objectos do culto católico em contexto português, este estudo aborda a forma como o museu refere o sagrado: como exprime o pensamento imaterial e os sentimentos religiosos e como são referenciados os objectos litúrgicos e devocionais numa apresentação museológica.

A prevalência do valor artístico ou do conteúdo religioso implica uma diferenças no programa museográfico: no museu de arte, as alfaias litúrgicas integram-se de acordo com as respectivas tipologias materiais ou estilísticas; nos tesouros eclesiásticos e museu de religião, este espólio tende a organizar-se de acordo com a funcionalidade litúrgica ou simbolismo religioso.

O museu actual preocupa-se com a recontextualização do objecto em relação à anterior função sagrada, começando a considerar, tanto o contexto, a função e o significado, quanto os seus aspectos formais e históricos.

A arquitectura e o equipamento museográfico constituem a primeira estratégia para anunciar o significado do objecto, mas é a documentação textual que o apresenta ao visitante. A informação é sintética na proximidade da exposição, tornando-se mais profusa à medida que se afasta do percurso, acompanhando o visitante para lá do museu.

Neste aspecto, as novas tecnologias permitem ligar o espólio aos mais diversos campos do conhecimento: o museu pode providenciar-lhe toda a gama de significados. O estudo do objecto religioso encontra aqui uma vantagem crescente, ao permitir a sua apropriação sem risco de o profanar.

Sobre a autora:

Maria Isabel Roque, Doutora em História pela Universidade Lusíada com a tese Musealização do sagrado: Práticas museológicas em torno de objectos do culto católico. Integrou os comissariados das exposições Encontro de Culturas (Lisboa, 1994; Vaticano, 1996), Fons Vitae (Pavilhão da Santa Sé na Expo’98) e 500 Anos das Misericórdias Portuguesas (Lisboa, 2000). Integrou o grupo de trabalho para a versão portuguesa do Thesaurus: Vocabulário de objectos do culto católico. Lecciona Museologia e Património arquitectónico e móvel na Universidade Católica Portuguesa e História da Arte no Instituto Superior de Línguas e Administração. É investigadora no Centro de Investigação em Património da Universidade Lusíada. Autora de Altar cristão: evolução até à Reforma Católica. Lisboa: Universidade Lusíada, 2004.

Fonte: informação cedida pela editora

ReCose – uma rede de profissionais no facebook

avril 20, 2011

Trabalhar em rede é hoje palavra-chave no mundo dos museus. Prova disso é a criação de várias redes de museus, formais e informais (ex. Rede de Museus do Algarve, Mouseion) nos últimos anos. Não esquecendo também o papel da Rede Portuguesa de Museus (RPM) que ao longo da última década tem dado provas de que o trabalho em rede permite uma melhoria significativa dos museus. Tem-se notado também um maior interesse em debater este tema, sobretudo a partir das instituições que tutelam os museus, que vêem aqui uma oportunidade de optimizar recursos dadas as circunstâncias económicas com que nos debatemos. Como exemplos refira-se o « I Encontro de Museus do Alentejo » (21-22 Out. 2010), que tinha como objectivo implícito a criação de uma possível rede de museus para o Alentejo; e mais recentemente o seminário « Redes regionais de museus » (13 Abr. 2011), organizado pela Direcção Regional de Cultura do Centro.

A notícia que aqui gostaria de divulgar é a de criação de um outro tipo de rede, menos burocrática e administrativa como tendem a ser a maioria das redes. Trata-se de uma rede, ao que tudo indica de carácter informal que junta profissionais ligados aos serviços educativos dos museus (e não só), a partir das redes sociais. Chama-se Rede de Colaboradores de Serviços Educativos (ReCoSE) e está no facebook.

Sobre a rede:

« Pretende recoser a estrutura da nossa profissão! Só juntos podemos conseguir melhorar a nossa prática e as condições em que se pratica.
Se és colaborador de algum serviço educativo, seja ele qual for (por enquanto em Lisboa, mas temos como objectivo alargar a nível Nacional), junta-te a esta rede e sê Bem-vindo! »
(in http://pt-pt.facebook.com/people/Rede-Colaboradores-Servi%C3%A7os-Educativos/100002184060801)

Para se juntar ao grupo basta inscrever-se no facebook!

Esta era uma ideia que há algum tempo andava em maturação, ou seja a de juntar profissionais que trabalham na área da educação nos museus em benefíco desta actividade. O objectivo era já perceptível no âmbito de algumas conferências a que assisti. Refiro-me por exemplo à conferência sobre « Serviços educativos em espaços culturais« , que se realizou no Algarve (Janeiro 2010). Parece que a ideia materializou-se agora, usando como plataforma o facebook.

Os meus parabéns pela iniciativa e votos de um excelente trabalho!

Contacto de email da ReCose:
redecse@gmail.com

Formação, conferências 2011

avril 18, 2011

Começo a semana com notícias sobre algumas conferências e acções de formação a acontecer lá fora e que podem ter interesse para os profissionais e investigadores portugueses.

Curso de verão: “Museum Documentation, Principles and Practice” dado pelo CIDOC – comité do ICOM para a documentação, a realizar-se nos Estados Unidos (25 Junho-1 Julho 2011). Trata-se de uma parceria com o “Museum of Texas Tech University”.
Mais informações:
http://www.open-world.ch/CIDOC/SummerSchool/intro.htm

CALL for Papers, neste caso “speakers” para a conferência anual do Comité de Marketing e Relações Públicas do ICOM (ICOM MPR), que se realiza em Brno, República Checa, entre 17 e 20 de Setembro de 2011. O tema deste ano é “Medir (e promover) os sucesso nos museus”, um tema claramente desafiante nos tempos que correm.
Mais informações:
http://www.mpr.icom.museum/html-files/conferences/speakers-call.htm
www.mpr.icom.museum

«Go International! The Challenge of Creating International Exhibitions» é o tema da conferência anual do ICEE – comité internacional do ICOM ligado às exposições (International Committee for Exhibitions & Exchange). O encontro realiza-se no “Deutsches Historisches Museum”, em Berlim, entre 24-26 de Outubro de 2011.
O programa ainda não está disponível, mas poderá consultar-se o site do comité para acompanhar as notícias sobre o evento:
http://www.ballodora.de/icee/

O comité do ICOM da Rússia está a organizar para este verão (1-8 Junho) um festival internacional de museus, em Moscovo.
“The main aim of the Festival is to integrate into the sphere of humanitarian interaction among CIS countries, to enlarge contacts with international museum community, to create effective dialogue platform for experience exchange and modern museum technologies and management models approbation, to form conditions for young specialists’ joint work, to stimulate their work and maintain youth inter-museum projects.”
Mais informações:
http://home.ease.lsoft.com/scripts/wa.exe?A2=ind1104&L=ICOM-L&F=&S=&P=1863
icom.russia@gmail.com
http://www.icom.org.ru/defengl.asp

A reunião anual do ICOMON (International Committee for Money and Banking Museums) vai ter lugar em Nicosia (Chipre) entre 10 e 13 de Outubro de 2011. O tema é “Money museums communicating with the public”.
Mais informações:
http://www.topkinisis.com/conference/ICOMON/index.html

XII Congreso Internacional sobre Patrimonio Geológico y Minero, 2011

avril 14, 2011

XII Congreso Internacional sobre Patrimonio Geológico y Minero – Sociedad Española para la Defensa del Patrimonio Geológico y Minero

16 SESIÓN CIENTIIFICA DE LA SEDPGYM
VALORIZACIÓN DE ELEMENTOS GEOMINEROS EN CONTEXTO DE LOS GEOPARQUES
Bolta (Huesca), 29 de septiembre al 2 de Octubre de 2011

Mais informações:
http://www.sedpgym.es/index.php?option=com_content&view=article&id=157:xii-congreso-internacional-sobre-patrimonio-geologico-y-minero-&catid=46:congresos&Itemid=77

Tese/Relatório em museologia: « Museu principal de Marvão: colecções e inventário »

avril 13, 2011

Museu principal de Marvão: colecções e inventário
Autor: Paula Cristina Currais Morgado
Orientação: Jorge Manuel Forte Pestana de Oliveira
Relatório apresentado à Universidade de Évora para obtenção do grau de Mestre em Museologia (Bolonha)
Ano: 2011. Tese defendida a 16 de Março de 2011
Nota: Júri constituído por Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues (Presidente), Maria Leonor Pereira Rocha (arguente) e Jorge Manuel Forte Pestana de Oliveira (orientador).

Revista de História, Património e Museologia Ferroviária

avril 12, 2011

Foi recentemente apresentada a revista de História, Património e Museologia Ferroviária – « Comboios em Linha« , lançada pela Fundação Museu Nacional Ferroviário (ver notícia).

Trata-se de uma publicação semestral sobre a história dos caminhos-de-ferro e sobre « museologia ferroviária » com o objectivo de uma melhor divulgação a nível nacional e internacional.

« O primeiro número é dedicado à Museologia Ferroviária e Industrial, tema explorado através de vários artigos, alguns dos quais de âmbito internacional, contando ainda com um dossier especial onde são apresentados os principais eventos, actividades e projectos desenvolvidos e a desenvolver pela Fundação Museu Nacional Ferroviário. » (site da Fundação)

Segundo indicação da Fundação, a revista está à venda nas Lojas do Museu Nacional Ferroviário de Arco de Baúlhe, Entroncamento, Lousado e Macinhata do Vouga, assim como na Livraria do El Corte Inglês, na Livraria TABAK do Centro Comercial das Telheiras e na Loja do Instituto dos Museus e Conservação, na Praça dos Restauradores.

O surgimento de novas publicações é geralmente sintomático de uma dinâmica positiva e, como tal, ficamos com alguma expectativa e curiosidade por conhecer este primeiro número que de alguma forma se liga à museologia. Todavia, a notícia da divulgação da revista é parca nas informações, ficamos assim sem saber qual é o corpo de editores, se é uma revista científica com processo de peer-review, se aceita artigos e quais os conteúdos deste primeiro número.

Mais informações:
rpereira@fmnf.pt
http://www.fmnf.pt/

Bolsas de investigação de doutoramento e pós-doutoramento nos museus

avril 11, 2011

Foi assinado a 4 de Abril protocolo entre o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) e a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) para a criação de uma nova área no próximo concurso geral de bolsas da FCT. Esta nova área terá a seguinte designação: « Museologia, Conservação e Restauro« , onde se incluem a Museografia, a História, a História da Arte, a História de Colecções e Museus e as Ciências Documentais, destinada a candidaturas para bolsas de doutoramento e pós-doutoramento.

Nesta área só serão aceites candidaturas cujos projectos de doutoramento ou pós-doutoramento constituam investigação aplicada em contexto museológico, cujo objecto de estudo se centre numa unidade museológica da Rede Portuguesa de Museus ou nos serviços centrais do IMC.

Assim, para além do orientador ou responsável científico, pertencente a uma instituição do Ensino Superior ou a uma Unidade de Investigação, é obrigatório indicar um co-orientador pertencente à unidade museológica na qual será desenvolvido o trabalho de investigação.

Mais informações:
FCT – http://alfa.fct.mctes.pt/

Tese de doutoramento: « Casa MUSS-AMB-IKE – O Compromisso no processo museológico »

avril 1, 2011

Casa MUSS-AMB-IKE – O Compromisso no processo museológico
Autor: Pedro Pereira Leite
Orientação: Judite Primo
Provas no âmbito de doutoramento em museologia da Universidade Lusófona
Ano: Janeiro 2011

Resumo:

A Casa de Muss-amb-ike é uma investigação em sociomuseologia com base na mobilização das memórias sociais da Ilha de Moçambique para a construção dum processo museológico. Apresentamos aqui uma proposta de operação sobre a sociomnese, através de metodologias participação da comunidade, para construir uma reflexão crítica sobre a ação de futuro. Este trânsito constitui a base da nossa proposta de processo museológico e constitui o nosso compromisso com a ação museológica na criação duma Cartografia das Heranças como expressão da vontade de futuro na comunidade.

A aplicação do modelo de análise da sociomnese decorre da validação das metodologias de conscientização aplicadas em processos sociomuseológicos. A aplicação desta metodologia em contexto museológico permitiu identificar as memórias sócias ativas e mobiliza-las para a criação duma ação museológica em contexto de participação da comunidade. O processo museológico produz objetos mnemónicos socialmente qualificados, sobre os quais se exerce uma operação de preservação e que são devolvidos à comunidade através de processos extroversão como resultado da interação dos membros dessa comunidade em contexto de ação museológica

A tese -se constitui-se como uma proposta de aplicação duma metodologia de ação sociomuseológica aplicadas em comunidades híbridas envolvidas em processos de intensa resiliência mnemónica. A ação sociomuseológica aplica através da metodologia da conscientização um conjunto de instrumentos que permite ativar as operações de salvaguarda e comunicação sobre objetos socialmente qualificados e mobiliza-los para ações partilhadas de construção do futuro. A metodologia da conscientização museológica analisa ainda as condições de aplicação no processo museológico das ações performativas como ações de produção de memória e heranças.

A tese analisa igualmente a constituição da memória social da Ilha de Moçambique como um mito do luso tropicalismo e a sua reconversão num mito de modernidade. Concluímos que a memória social da Ilha de Moçambique é uma memória híbrida e que essa memória pode ser incorporada nos processos de construção do futuro através da participação da comunidade. A proposta de processo museológico inclui uma reflexão sobre o modelo organizacional do processo museológico e uma proposta de conceito estruturante para o seu desenvolvimento.

Eleições ICOM-PT

mars 31, 2011

No passado dia 28 de Março o ICOM-PT foi a votos. A equipa escolhida para dirigir o ICOM até 2014 é a seguinte:

ASSEMBLEIA-GERAL
PRESIDENTE – Silvana Bessone, Museu Nacional dos Coches
VICE-PRESIDENTE – Maria Vlachou, Teatro São Luiz
1º SECRETÁRIO – Maria do Rosário Azevedo, Museu Calouste Gulbenkian
2º SECRETÁRIO – José Manuel Oliveira, Casa-Museu de Camilo

CONSELHO FISCAL
PRESIDENTE – Clara Vaz Pinto, Museu Nacional do Traje
VOGAL – Manuela Oliveira Martins, Museu do Oriente
VOGAL – Francisco Pedroso de Lima, Museu de Angra do Heroísmo

DIRECÇÃO
PRESIDENTE – Luís Raposo, Museu Nacional de Arqueologia
SECRETÁRIO – Marta Lourenço, Museu da Ciência, Universidade de Lisboa
TESOUREIRO – Isabel Tissot, Empresa Archeofactu
VOGAL – Graça Filipe, Ecomuseu Municipal do Seixal
VOGAL – Paula Menino Homem, Departamento de Ciências e Técnicas do Património, Faculdade de Letras, Universidade do Porto

João Brigola e a « A crise institucional e simbólica do museu na sociedade contemporânea », 29 Março

mars 29, 2011

João Brigola, director do Instituto de Museus e Conservação (IMC), dá hoje uma palestra na Universidade de Lisboa sobre o tema « A crise institucional e simbólica do museu na sociedade contemporânea ». O título convida certamente ao debate, especialmente no momento em que vivemos.

Esta palestra faz parte da iniciativa « Ciclo de Palestras 100 lições » no âmbito das comemorações dos 100 anos da Universidade de Lisboa.
Hoje, além de João Brigola poderá assistir também à palestra de Alexandre Castro Caldas: « O que aprendemos com o cérebro de quem não aprende »

Local: Sala de Conferências da Reitoria da Universidade de Lisboa

18h às 20h

Para quem não possa assistir à palestra de Brigola pode sempre ler o artigo com o mesmo título publicado em 2008 na revista « museologia.pt »*.

Mais informações:
http://centenario.ul.pt
Ulis2011@reitoria.ul.pt

*Brigola, J. C. (2008). « A crise institucional e simbólica do museu nas sociedades contemporâneas. » Museologia.pt(2): 155-162.

CONF: « O papel dos grupos de amigos dos museus e a sua pertinência na actualidade », 26 Março

mars 25, 2011

No próximo dia 26, é já este sábado, está prevista uma conferência no Museu de Cerâmica de Sacavém sobre o papel dos grupos de amigos dos museus. Um dos objectivos deste encontro é a criação de um grupo de amigos para o museu de Sacavém, para além de uma discussão mais alargada sobre a relevância deste tipo de associações nos museus, que é também uma forma de estabelecer uma relação com as comunidades com vista à sua participação. Estarão presentes neste encontro vários representantes de outras associações de museus, para além da directora da Rede portuguesa de Museus, Isabel Victor.

Mais informações aqui