Posts Tagged ‘Alice Semedo’

Ensaios e práticas em museologia

septembre 8, 2011

Ensaios e práticas em museologia: 01
Org.: Alice Semedo e Patricia Costa
Edição: Universidade do Porto/Faculdade de Letras /Departamento de Ciências e Técnicas do Património
Descrição física: 325 p.
ISBN: 978-972-8932-82-4
Ano: 2011

A Universidade do Porto (com a org. de Alice Semedo e Patrícia Costa) acaba de publicar em formato digital “Ensaios e práticas em museologia: 01”, um conjunto bastante diverso de artigos desenvolvidos a partir de teses de mestrado (e doutoramento), na sua maioria produzidas entre 2008 e 2009. São 14 artigos, quase todos fruto de dissertações realizadas na Universidade do Porto, excepção feita aos artigos de Giles Teixeira (Leicester Museum Studies), Joana Damasceno (Universidade de Coimbra), Ana Carvalho (Universidade de Évora) e ainda, de duas contribuições espanholas: Amaia Arriaga (Universid Pública de Navarra) e Luz Gilabert (Universidad Murcia).

Conforme se refere na apresentação da publicação:

“O volume que agora se apresenta teve como principal motivação a divulgação de alguns estudos de museus já apresentados durante o I Seminário de Investigação em Museologia para os Países de Língua Portuguesa e Espanhola (Porto 2010), em formato de Poster, e que merecem, no nosso entender, uma melhor divulgação. A maior parte destes estudos foram realizados no âmbito das dissertações do Curso de Mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, entre 2008 e 2009. Incluem-se, ainda, neste volume, alguns artigos que partem de dissertações de mestrado ou de doutoramento apresentadas noutras universidades e que apoiam esta construção de um campo profundamente inter-disciplinar. Os diferentes textos mostram bem a diversidade dos tópicos de investigação em museologia e, no seu conjunto, materializam diversas visões e orientações da museologia contemporânea, gizando não só um território de profissionais-em-acção mas promovendo, igualmente, espaços reflexivos e de discussão crítica. »

Artigos:

A importância da documentação e gestão das colecções na qualidade e certificação dos museus, Alexandre Matos

Investigar en educación museística: analizando las concepciones de arte e interpretación de la galería Tate Britain, Amaia Arriaga

Profissionais de educação em museus: caso de estudo na cidade do Porto, Ana Bárbara da Silva Magalhães Veríssimo de Barros

Os Museus e o Património Cultural Imaterial. Algumas considerações, Ana R. Carvalho

Museus de ciências físicas e tecnológicas: contributos para a gestão das suas colecções, Carlos Alberto Loureiro

Museu Militar de Bragança – fundação, Emília Nogueiro

Museusicologia: o lugar da música no museu de arte, Giles Teixeira

As salinas de Alcochete: um património a musealizar, Maria Dulce de Oliveira Marques

Ser turista num museu: especificidades de um público, Helena Dinamene Baltazar

Museus para o povo português: O Museu de Arte Popular e o discurso etnográfico do Estado Novo, Joana Damasceno

La política museística municipal en el contexto español : la Red de Museos del Ayuntamiento de Murcia, Luz Gilabert

Os museus e o ensino industrial: percursos e colecções, Patrícia Costa

A heurística do objecto médico, Sónia Castro Faria

Museus Inclusivos: realidade ou utopia? Sónia Santos

O documento está disponível na íntegra aqui: http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id03id1356id2411&sum=sim

Seminario Iberoamericano de Investigação em Museologia, 27, 28 e 29 de Out. 2011

juillet 28, 2011

Em Outubro (27, 28 e 29) realiza-se o III Seminário Iberoamericano de Investigação em Museologia (SIAM). Esta iniciativa é da responsabilidade conjunta da Universidade do Porto e da Universidad Autónoma de Madrid.

O programa provisório já está disponível (http://www.siam2011.eu/) e conta com a presença significativa de investigadores portugueses.

Objectivos:

Este seminário tem como principal objetivo o aprofundamento da reflexão e das práticas de investigação no campo da museologia, relacionando diferentes disciplinas e perspectivas, participando activamente na construção de uma comunidade de práticas que apoie a discussão e o desenvolvimento de projetos de investigação comuns. Entende-se a prática museológica como um saber aplicado que precisa igualmente de um desenvolvimento académico e de investigação, de um desenvolvimento profissional e de um desenvolvimento dos contextos de gestão pública e privada. Estos três âmbitos estão cada vez mais próximos e interrelacionados e precisam do mesmo nível de rigor científico, reflexão crítica, responsabilidade social e abordagem sustentável.

(Fonte: site museologia.porto)

Lembre-se que o SIAM teve a sua primeira edição em 2009 e do qual resultaram actas que publicadas na forma de três livros (formato digital). Poderá aceder às publicações através do site da museologia.porto.

Mais informações:
http://www.siam2011.eu/

Tese de Mestrado: « Avalição museológica. Estudo de caso: avaliação da exposição permanente do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra “Segredos da luz e da matéria”

juillet 7, 2010

Avaliação museológica. Estudo de caso: avaliação da exposição permanente do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra “Segredos da luz e da matéria”

Autor: Amanda Lúcia Gama Pereira Dias Guapo
Orientação: Pedro Júlio Enrech Casaleiro
Dissertação apresentada à Universidade de Coimbra para obtenção do grau de Mestre em Museologia e Património
Ano: 2010. Tese defendida a 29 de Junho de 2010
Nota: Júri constituído por Irene Maria de Montezuma de Carvalho
Mendes Vaquinhas (Presidente), Alice Lucas Semedo (arguente) e Pedro Júlio Enrech Casaleiro (orientador). O candidato obteve a classificação de «Muito bom».

Sobre as VIII Jornadas do ICOM

avril 1, 2010

VIII Jornadas do ICOM
Padrão dos Descobrimentos, 29 Março 2010
©Ana Carvalho

No passado dia 29 de Março teve lugar mais uma edição das jornadas do ICOM, que foi de encontro ao tema escolhido pelo ICOM internacional “Museus e Harmonia Social”. Este tema, suficientemente abrangente, levou os conferencistas convidados a partilhar com a assistência a sua reflexão a partir de experiências concretas, algumas perspectivadas de dentro, outras de fora (Museu da Casa Grande de Freixo de Numão, Museu da Luz, Museu de Mértola, Museu de Mação, Museu do Papel Moeda Fundação Dr. António Cupertino de Almeida, etc.). De algum modo, permanece no cerne da questão a relação dos museus com as comunidades, os desafios, mas também os limites e fronteiras da função social. A importância do trabalho em rede e o desenvolvimento local e territorial foi de certa maneira transversal nesta discussão, ainda que com diferentes nuances.

Entre as comunicações apresentadas, não poderíamos deixar de sublinhar a intervenção de Hugues de Varine, que nos desafiou a pensar e a reflectir sobre as possibilidades de intervenção dos museus, apresentando-nos diferentes experiências museológicas de várias partes do mundo (Canadá, China, Itália, Brasil, França, Portugal, etc.) e que demonstram que, efectivamente, o caminho que um museu deve seguir deverá ser em estreita ligação com cada território e em função das suas necessidades. Partindo da ideia de coesão social, Varine partilhou connosco a sua percepção sobre o que é o “Museu do Passado” e quais as características do “Novo Museu e Novos Desafios”, o “Museu componente do capital social da comunidade”, o “Museu Libertador”, o “Museu educador do turista” e finalmente, algumas ideias sobre o “Museu e o desenvolvimento sustentável e participativo”. A partir desta comunicação e da diversidade de situações apresentadas pode-se concluir que cada vez há mais tentativas, mais projectos que procuram testar e descobrir novas fronteiras para a museologia. No contexto do debate, escasso é preciso dizer, pela falta de tempo disponibilizado, Varine chamou também a atenção para a emergência de novas profissões no museu: a profissão de mediador e a de facilitador. Sobre o mediador, Varine diz ser algo muito diferente do papel de guia. Trata-se de uma profissão, que considera essencial para estabelecer a ponte entre o museu e as comunidades, uma nova disciplina que põe em primeiro lugar o conhecimento sobre as culturas dos visitantes antes de poder apresentar a cultura representada no museu, e que nasce da necessidade de criar um diálogo mental entre as diferentes partes. Por outro lado, a profissão de facilitador resulta da necessidade de ajudar a concretizar iniciativas locais, sem perder de vista a qualidade de uma iniciativa que se caracterize de baixo para cima, possibilitando, por sua vez, iniciativas de cima para baixo, mobilizando ou remobilizando a iniciativa local.

Da comunicação de Alice Semedo foi suficientemente sublinhada a existência de (des) harmonias no trabalho dos museus com as comunidades. Nem sempre são processos fáceis, pelo contrário, interferindo aqui muitas e diversas variáveis: a questão da (des)confiança, os limites do museu e do seu papel, confrontações de ordem política, (in)flexibilidade, vários pontos de vista, diferentes expectativas, interesses diversos dos parceiros (quando se trabalha em rede), entre outros. De facto, pensar em estratégias que envolvam as comunidades tem pouco de linear, exige disponibilidade e flexibilidade e uma constante reflexão da parte de cada museu. São necessárias, em nosso entender, mais experiências piloto e a avaliação do trabalho que vai sendo feito através de estudos de caso.

Ana R. Carvalho

VIII Jornadas ICOM-PT « Museus e Harmonia Social », 29 Março 2010

mars 8, 2010

Museus e Harmonia Social: Contribuir para o diálogo intercultural, interpretar e reflectir sobre a sociedade e as suas mudanças

Ao adoptar como temática das suas Jornadas anuais o mesmo tema do ICOM Internacional, tanto para comemorar o Dia Internacional dos Museus 2010, como para a sua conferência trienal, que se realizará em Novembro em Xangai, o ICOM-PT pretende contribuir para a reflexão e a discussão de ideias sobre o papel dos museus e dos seus profissionais face aos problemas da sociedade e do tempo em que vivemos.

Além dos conceitos de museu e de património, também os conceitos de cultura, identidade, território, comunidade e desenvolvimento, entre outros, passaram a integrar o vocabulário de referência dos museus e as abordagens das instituições que os tutelam. Mas nem sempre são coincidentes as acepções pressupostas e, principalmente, as fundamentações que sustentam a sua aplicação, nem os objectivos a atingir e respectivos efeitos na sociedade e na vida das comunidades e das pessoas, a que os museus prestam serviço público.

Com intervenções de HUGUES DE VARINE, CLARA CAMACHO, ALICE SEMEDO, ALBERTO MELO E MARIA JOÃO LANÇA.

Entrada livre mas de inscrição obrigatória (limitada à capacidade da sala).

Preencha e envie o Formulário de Inscrição para info@icom-portugal.org até ao dia 22 de Março.

Serão passados certificados de presença.

Mais informações: info@icom-portugal.pt

Veja o programa em http://www.icom-portugal.org/

(Fonte: ICOM-PT)

Tese de mestrado: « Património e museus nos modelos de desenvolvimento urbano. Os casos de Coimbra e de Salamanca »

mars 4, 2010

Património e museus nos modelos de desenvolvimento urbano. Os casos de Coimbra e de Salamanca
Autor: Tiago de Sousa e Vasconcelos Matos Boavida
Orientação: Pedro Casaleiro (Museu da Ciência da Universidade de Coimbra) e Fernanda Cravidão (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
Dissertação apresentada à Universidade de Coimbra para obtenção do Grau de Mestre em Museologia e Património Cultural
Ano: 2010. Tese defendida a 21 de Janeiro de 2010

Nota: Presidiu ao júri a directora do Mestrado, Doutora Irene Vaquinhas. Participaram os doutores Pedro Casaleiro (Museu da Ciência da UC) e Fernanda Cravidão (Departamento de Geografia da FLUC), na sua qualidade de co-orientadores. Arguiu a Doutora Alice Semedo (Departamento de Património
da FLUP).

Resumo:

Nesta dissertação de mestrado pretendi avaliar qual a importância do turismo, da cultura, dos museus e do património para as cidades, dos pontos de vista económico e social, assim como quais as imagens que, através desses meios, as cidades projectam para o exterior. Pretendi, baseado nos exemplos de Bilbau, Barcelona e Liverpool, entre outros, aferir até que ponto estes aspectos referidos podem ser centrais na estratégia de desenvolvimento das cidades, e da real possibilidade de serem âncoras de modelos de desenvolvimento urbano.

Elaborei um estudo comparativo entre Coimbra e Salamanca, avaliando até que ponto estas duas cidades ibéricas, tão próximas na sua história e evolução económica, podem estabelecer um modelo de desenvolvimento urbano com base no turismo, na cultura, nos museus e no património. Por via da observação directa, da administração de um inquérito e do estudo das duas cidades, tentei perceber se elas têm sabido, ou não, aproveitar as suas potencialidades nessas áreas e o que se projecta, nesse sentido, para o futuro.

Tese: « Acessibilidade em Museus »

avril 23, 2009

livro-antigo3

Autora: Sónia Santos
Orientador: Prof. Doutora Alice Semedo
Instituição: Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Tese de mestrado (curso integrado de Estudos Pós-Graduados em Museologia)
Ano: 2009

A tese está disponível na íntegra no seguinte endereço:
http://www.doxtop.com/

Sugestão de leitura: »Museus, Discursos e Representações »

janvier 26, 2007

museus-discursos-e-representacoes.gif

« Museus, Discursos e Representações »
Autores: Alice Semedo, João Teixeira Lopes
Publicação: Edições Afrontamento, 2006
Colec. Textos/53; 199 p.
ISBN: 978-972-36-0881-2

Descrição: « Os temas propostos pelo colóquio cujas intervenções agora se publicam exploraram e analisaram diversas narrativas museológicas consideradas cruciais na forma como o objecto museológico se tem constituído e representado, tratando de revelar os pressupostos em que se alicerçam os argumentos implícitos nos discursos e representações museológicas: nos seus textos, na relação com os públicos, nas suas colecções, nas suas exposições, na sua arquitectura. Quais são os contornos destas representações museológicas? Como se constituem como um tipo de argumento? Que tipo de argumentos são apresentados? Por que são importantes? Quais são os seus efeitos e consequências na construção do objecto museológico, na política museológica e nas suas missões? »
In http://www.edicoesafrontamento.pt